“O acido Cioran” (José Lins do Rego)

Vou lendo E M. Cioran e já vou me identificando com e seu pensamento subversivo quando ele nos diz que a ilusão moderna afogou o homem nas sincopes do «devenir». E assim foi ele perdendo a sua substancia. Toda conquista — espiritual ou politica — implica em perda: toda conquista é uma afirmação. No domínio da arte, um ideal não estabelece outra coisa que a ruína daquele que foi o precursor. Cada artista verdadeiro mata o que veio antes de si. Nada de superioridade na historia: republica-monarquia; naturalismo-arte-abstrata: irracionalismo-intelectualismo. As instituições como as correntes de pensamento se valem. E por isto se excluem. É verdade que não há quem possa conciliar a ordem com a desordem, a abstração com o imediato, o entusiasmo pela vida com a fatalidade. As epocas de sintese não são criadoras: elas quase sempre resumem o fervor de outras epocas, resumo confuso, caotico. Todo ecletismo é um indice de fim. Os valores não se acomodam: uma geração não traz um novo senão dando com os pés no que havia de unico na outra geração.

1952 Diário de Pernambuco ano 127 no 223 23set1952

A Renascença não quis salvar a profundeza, as quimeras, o genero selvagem da Idade Media: o século das luzes não guardou da Renascença o patetico que foi a marca do seu tempo.

E vai o acido Cioran roendo com as suas idéias a crosta de muitos dos nossos preconceitos, a fragilidade de tantas convicções que alio os nossos chinelos de conforto.


LINS DO REGO, José, “O acido Cioran”, Diário de Pernambuco, ano 127, no 223, 23 setembro de 1952.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s