“Não se lê Cioran para compreendê-lo, mas antes para compreender melhor a nós mesmos”: Tertúlia com José Luis Álvarez LOPEZTELLO (UAMEX)

Foi a segunda atividade – a segunda tertúlia – do Portal E.M. Cioran Brasil no YouTube em 2021, ambas contando com a ilustre presença – a diligente colaboração e a rica contribuição teórica – de dois dos mais importantes estudiosos acadêmicos de Cioran no México. Ficam registrados, uma vez mais, os meus sinceros e afetuosos agradecimentos a José Luis Álvarez Lopeztello (UAMEX) e Leobardo Villegas Mariscal (UAZ). Graças a vocês, o Portal E.M. Cioran tem sido, neste abril de Cioran, Portal E.M. Cioran México – e cada vez mais um ponto de encontro cosmopolita, um catalisador de sinergia intelectual (e artística) transcultural, uma usina de saberes cioranianos multilingue, sin fronteras…

Rodrigo Menezes – Portal E.M. Cioran Brasil
https://www.youtube.com/c/PortalEMCioranBrasil (2021)

Aconteceu ontem, 23 de abril (algumas semanas após o natalício de 110 anos de Cioran), a segunda live tertúlia do Portal E.M. Cioran Brasil em 2021. Recebemos a ilustre presença do filósofo e professor José Luis Álvarez Lopeztello, da Universidad Autónoma del Estado de México (UAMEX). Lopeztello é um investigador acadêmico do pensamento de Cioran, tendo feito tanto o mestrado e o doutorado sobre o filósofo romeno, um importante exegeta e um grande conhecedor da obra cioranana no contexto mexicano.

Foi uma prazerosa e enriquecedora conversa, desenrolada entre dois idiomas (perguntas feitas em espanhol e em português), e uma feliz ocasião de aproximação e estreitamento de laços intelectuais, filosóficos propriamente, entre estes dois grandes países latinoamericanos, o Brasil e o México – tendo por “pretexto” um terceiro país, a Romênia de Cioran. Com 2h30m de duração, intercalando a exposição do convidado, suas respostas às perguntas previamente acertadas em torno dos temas que nos interessam em Cioran, a tertúlia girou em torno de uma ampla variedade de temas, de cunho mais contextual e metateórico, e finalmente questões de cunho filosófico e hermenêutico.

Num primeiro momento, Lopeztello falou sobre sua trajetória intelectual e acadêmica, e sobre a escolha de estudar Cioran tanto no mestrado quanto no doutorado, seus respectivos temas, problemas e conclusões investigativas. Também falou sobre a sua experiência pessoal e subjetiva como leitor e investigador de Cioran, autor de uma obra tão espinhosa, “difícil”, que parece constantemente escapar, deslocar-se, transmutar-se, ocultar-se, enfim, poderíamos dizer, à medida mesma que se dá a ler e conhecer. Um jogo de luzes e sombras, claro-escuro: de profundis.

A tertúlia se desdobrou para abordar a temática, constitutiva de sua tese de doutorado, da “heresia existencial”, fórmula-título concebida por Lopeztello para descrever a atitude marcadamente cética de um pensador que tem como princípio de autenticidade e de probidade intelectual a recusa a identificar-se, aderir, compactuar, o imperativo de viver à l’écart, nas periferias da existência, na penumbra, de um filósofo-demolidor, atarefado em desmascarar todas as ideias e todos os ideais, especialmente os mais propensos ao fetichismo (psicológico, cultural), aqueles mais caros à humanidade em geral, enfim, a atitude de um “desilusionista” (Brum), de um “desfascinador” (Fiore), inimigo de todas as falsas verdades, de todas as mentiras vitais disfarçadas de nobres dogmas (inclusive no âmbito do pensamento secular, moderno).

Tratou-se também, dentre outras questões que surgiram espontânea e imprevistamente, graças à interação do público, com suas instigantes perguntas, da relação de cumplicidade e/ou afinidade eletiva, ou de mútua exclusão, em detrimento de uma das duas tendências, entre ceticismo e pessimismo em Cioran, entre um registro lógico-discursivo de tipo cético/zetético, infinitamente questionador e problematizador, sem jamais chegar a uma conclusão, a uma certeza sobre as questões que interessam, e um registro lógico-discursivo eminentemente pessimista, o que não significa dogmático, no sentido de se basear em verdades reveladas, divinas e sagradas, e portanto inquestionáveis (tabu).

A propósito de pessimismo e ceticismo, explica Lopeztello, em resposta a uma pergunta feita sobre a concepção que Cioran se faz da História, o modelo do devir, isto é, do processo histórico, tal como o conhecemos, que mais coincide com o de Cioran, seria o que se encontra em Hesíodo, notadamente em Os trabalhos e os dias, em que são representadas sucessivas, e cada vez mais inferiores, mais degradadas eras da humanidade, da Idade de ouro à de ferro: ponto mais baixo do devir universal, o nosso capítulo, tendo a raça humana, desgastada e fatigada, como protagonista trágica no centro dessa Queda em direção ao pior


Por fim, falou-se também sobre a pertença, deslocada e paradoxal, de Cioran no âmbito da história da filosofia (ocidental), em particular, e da história do pensamento (produção do espírito) universal enquanto tal, para além do horizonte ocidental (grego, judaico-cristão), em direção ao Oriente. Cioran tem em comum com Jano essa dupla face, dupla visão, voltada ao Ocidente e ao Oriente, à Europa e à Ásia, que o filósofo dos Bálcãs nunca pôde ignorar, em matéria de pensamento, espiritualidade, sabedoria e mística (ou seja, tudo o que mais lhe interessava; to timiotaton, para empregar uma fórmula de Plotino, citado por Chestov).

Se pudermos mencionar um único nome, evocar uma única figura, representativa do que o mundo oriental tem de melhor, citaríamos Rûmi, filósofo, poeta e místico persa, de tradição sufi, que Cioran cita mais de uma vez em Lacrimi şi sfinţi [Lágrimas e santos], um dos seus mais importantes livros (situado em sua fase de juventude, em língua romena).

Esta foi a segunda atividade — a segunda tertúlia — do Portal E.M. Cioran Brasil no YouTube em 2021, ambas contando com a ilustre presença, a diligente colaboração e a rica contribuição teórica de dois dos mais importantes estudiosos acadêmicos de Cioran no México. Há mais por vir, neste ano de 2021, novos eventos (não apenas tertúlias), vídeos temáticos, e muito mais. Ficam registrados aqui, uma vez mais, os meus sinceros e afetuosos agradecimentos aos dois convidados internacionais, José Luis Álvarez Lopeztello e Leobardo Villegas Mariscal. Graças a vocês, o Portal E.M. Cioran tem sido, neste abril de Cioran, um Portal E.M. Cioran México — cada vez mais, um ponto de encontro cosmopolita, um catalisador de sinergias intelectuais (e artísticas) transculturais, uma usina de saberes cioranianos multilingue, sin fronteras

SÁ MENEZES, R. I. R., “Não se lê Cioran para compreendê-lo, mas antes para compreender melhor a nós mesmos: Tertúlia com José Luis Álvarez Lopeztello”, Portal E.M. Cioran Brasil, 24 de abril de 2021.

2 comentários em ““Não se lê Cioran para compreendê-lo, mas antes para compreender melhor a nós mesmos”: Tertúlia com José Luis Álvarez LOPEZTELLO (UAMEX)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s