“Em busca da negatividade perdida: considerações sobre o papel dos ‘especialistas do suicídio’ e a tarefa da crítica literária” – Rodolfo Rorato LONDERO

Em seus Silogismos da amargura, Cioran apresenta o seguinte argumento: “Os românticos foram os últimos especialistas do suicídio. Desde então se improvisa… Para melhorar sua qualidade precisamos
de um novo mal do século” (Cioran 2011a: 15). Na verdade, como mostra Han (2015), neste começo do século XXI, já temos uma infinidade de “doenças neuronais” que garante o título antes cedido à tuberculose: depressão, transtorno de personalidade limítrofe (borderline), síndrome de burnout, etc. Contudo, ao contrário da previsão de Cioran, esse novo mal do século fortaleceu outro tipo de especialista que não os poetas e escritores. Estamos falando dos psiquiatras, psicólogos e profissionais da saúde, principalmente de suas campanhas de prevenção ao suicídio.

O discurso da prevenção está em toda parte, apoiado em estatísticas como esta que podemos encontrar na mais recente edição da revista Piauí (fevereiro de 2019): a cada três segundos uma pessoa tentou se
matar no planeta, e a cada 40 segundos uma delas conseguiu. A mesma reportagem termina citando a História do suicídio, de Georges Minois, mas sem deixar de acrescentar um comentário a favor da prevenção: “o ato de se matar ‘horroriza, ao mesmo tempo que continua sendo a solução definitiva ao alcance de todos, que nenhuma lei, nenhum poder no mundo consegue proibir’. Mas talvez consiga prevenir” (Manir 2019). Ao contrário do possível entendimento da jornalista, o historiador francês não está lamentando a inexistência de leis ou poderes capazes de proibir a “solução definitiva”, mas mostrando como, por meio do suicídio, ou melhor, da ideia do suicídio, podemos garantir um último suspiro de autonomia… [+]

LONDERO, Rodolfo Rorato, “Em busca da negatividade perdida: considerações sobre o papel dos ‘especialistas do suicídio’ e a tarefa da crítica literária”, in ANDRÉ, Willian; AMARAL, Lara Luiza Oliveira; PINEZI, Gabriel (orgs.), Literatura & Suicídio. Campo Mourão: FECILCAM, 2020.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s