“O sublime e a alegoria” – Katia MURICY

Revista O Que Nos Faz Pensar (PUC-RIO), nº 21, maio de 2007

A oposição à modernidade se dá dentro da modernidade. Criticá-la é uma das funções do espírito moderno e mais ainda: é uma maneira de realizá-lo. O tempo moderno é o tempo da cisão e da negação de si mesmo, o tempo da crítica…Hoje somos testemunhos de outra mudança: a arte moderna começa a perder seus poderes de negação. Já há anos suas negações são repetições rituais: a rebeldia transformou-se em procedimentos, a crítica em retórica, a transgressão em cerimônia. A negação deixou de ser criadora Não digo que vivemos o fim da arte: vivemos o fim da idéia de arte moderna.

Octavio Paz

Aqueles fenômenos da arte chamados de vanguarda, característicos das primeiras décadas de nosso século, são hoje documentos históricos. Não há um artista principiante, um crítico de última hora, que não tenha há muito decretado, com segurança, o fim das vanguardas artísticas. Junto com a impossibilidade de uma vanguarda estética atual expressiva, liquida-se seu valor como movimento crítico construtor de um novo conceito de arte e de uma problematização ímpar do estatuto de arte na modernidade. Dar conta conceitualmente desses movimentos significa recuperar um sentido fundamental para a compreensão daquele momento decisivo de reconceituação ampla do campo da reflexão artística e de suas inter-relações com as demais instâncias da vida social. Mas significa muito mais: restituir à nossa atualidade uma questão crucial — a da arte e de sua inserção no mundo atual — a partir de uma teoria crítica que pense a possibilidade de sua autonomia hoje… [PDF]

Publicidade