“El universo filosófico de Lev Shestov” – Catalina Elena DOBRE

Metafísica y Persona, Universidad de Málaga, nr. 23, 2020 Siendo un pensador peculiar y entendido como un out-sider, Lev Shestov es el creador de una filosofía que, continuando la labor del pensamiento de Nietzsche, Kierkegaard o Dostoievski, entre otros, viene a romper para reconstruir; es decir, crea un pensamiento configurado por sus raíces judías, la cultura… Continue lendo “El universo filosófico de Lev Shestov” – Catalina Elena DOBRE

“As Raízes Hinduístas do Budismo” – Dilip LOUNDO

Numen: Revista de Estudos e Pesquisa da Religião, Universidade Federal de Juiz de Fora, v. 20, n. 1, p. 47-56 Pretendemos, com o presente artigo, evidenciar a inserção civilizacional eminentemente hinduísta da tradição do budismo, cujo contexto originário possui um caráter eminentemente iniciático. A inserção orgânica do budismo no contexto das religiosidades hindus (védicas/purânicas/tântricas) do… Continue lendo “As Raízes Hinduístas do Budismo” – Dilip LOUNDO

“Iluminismo, Romantismo e Misticismo a partir da obra de Kant” – André Luiz Pinto da Rocha

Revista Terceira Margem - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ,  v. 20, n. 33 (2016). Resumo: O objetivo desse artigo é analisar a instauração da filosofia contemporânea tendo como enfoque dois movimentos, a Ilustração e o Romantismo. A filosofia kantiana será levada em conta, em especial, a analítica do Belo. A tese então… Continue lendo “Iluminismo, Romantismo e Misticismo a partir da obra de Kant” – André Luiz Pinto da Rocha

“Por que o ser e não o nada? A Grundfrage em Leibniz, Schelling e Heidegger” – Rossano PECORARO

Argumentos - Revista de Filosofia, Universidade Federal do Ceará (UFC), ano 4, n° 7, 2012 Resumo: Este artigo pretende discutir as diversas reflexões de Leibniz, Schelling e Heidegger sobre a“pergunta fundamental” (Grundfrage) da filosofia: “Por que o ser e não o nada?”Palavras-chave: Ontologia; Nada; Filosofia alemã; Metafísica. Abstract: This article aims to analyze three different… Continue lendo “Por que o ser e não o nada? A Grundfrage em Leibniz, Schelling e Heidegger” – Rossano PECORARO

“Maurice Blanchot e o espaço do imaginário: algumas aproximações” – Renato SUTTANA

Letras de Hoje - Estudos e Debates de assuntos de linguística, literatura e língua portuguesa, v. 48 n. 2 (2013). Resumo: Neste trabalho, abordamos noção de espaço, aplicado ao estudo da obra literária, conforme se configura nos escritos de Maurice Blanchot. Tomando como base, principalmente, as suas reflexões sobre as obras de Joubert, Borges, Kafka… Continue lendo “Maurice Blanchot e o espaço do imaginário: algumas aproximações” – Renato SUTTANA

“Cioran: uma mente desconcertante” – Paulo Jonas Lima PIVA

Discutindo Filosofia, ano 1, nr. 2. Conhecido como filósofo do nada, o romeno Emil Cioran produziu uma obra carregada de fina ironia e tiradas polêmicas Muitas são as tentativas de definir o pensamento estilhaçado, iconoclástico e desconcertante do pensador romeno Emil Mihai Cioran. Rei dos pessimistas, o niilista por excelência do século XX, um Nietzsche… Continue lendo “Cioran: uma mente desconcertante” – Paulo Jonas Lima PIVA

“Notas sobre a filosofia da sensibilidade em Ponty e Cioran” – Roberto Pereira Veras & Ricardo Pereira Veras

Revista Reflexões, Fortaleza, ano 3, nº 5, julho-dezembro de 2014 Resumo: Este artigo intenta mostrar por meio do método hermenêutico, o posicionamento filosófico de Maurice M. Ponty (1908-1961), e Emil M. Cioran (1911-1995) em relação à importância da sensibilidade como elemento fundante do conhecimento na contemporaneidade. Para tanto, iremos estabelecer um confronto entre a obra… Continue lendo “Notas sobre a filosofia da sensibilidade em Ponty e Cioran” – Roberto Pereira Veras & Ricardo Pereira Veras

“Cioran e o ceticismo na política” – Elvis de Oliveira MENDES

Polymatheia – Revista de Filosofia, UECE, Fortaleza, vol. 11, nr. 19, jul./dez. 2018 Resumo:Seríamos nós humanos, animais naturalmente condicionados à idolatria? Essa questão será o centro da reflexão proposta neste estudo. Diante dessa dificuldade, tentaremos refletir à luz do pensamento do filósofo romeno Emil Cioran que, por meio de um pensamento marcado por um profundo… Continue lendo “Cioran e o ceticismo na política” – Elvis de Oliveira MENDES

“Emil Cioran: música e mística” – Thiago Perdigão

Diário Popular, 29 de outubro de 2020 Considerado pelo poeta Saint-John Perse como o prosador mais importante da língua francesa desde Paul Valéry, o filósofo romeno Emil Cioran (1911-1995) foi autor de dez obras em francês e cinco em língua romena, nas quais reflexões filosóficas são apresentadas por meio do paradoxo, da autoironia e do… Continue lendo “Emil Cioran: música e mística” – Thiago Perdigão

“«O despertar da consciência e o cansaço de se estar desperto»: Cioran e a Era do Eixo (Jaspers)” – Rodrigo MENEZES

Segundo Peter, Sloterdijk, Cioran teria sido “o primeiro a realizar o que Nietzsche tinha querido desmascarar como se tivesse existido desde sempre: uma filosofia do puro ressentimento.”[1] Ele tem em mente o motivo cioraniano do mécontentement (Rosset), a insatisfação total (“e não há insatisfação profunda que não seja de natureza religiosa”, pensa Cioran), de onde… Continue lendo “«O despertar da consciência e o cansaço de se estar desperto»: Cioran e a Era do Eixo (Jaspers)” – Rodrigo MENEZES