Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

Começa-se normalmente pelo "segundo nascimento de Cioran", conforme se refere Patrice Bollon ao marco divisor da obra, o Breviário de decomposição, o premiado livro de estreia do autor romeno em língua francesa, desconhecendo em maior ou menor medida a biografia pregressa do pensador transilvano, muitas vezes ignorando que, antes de adotar o francês como língua… Continue lendo Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

“Cómo se fabrica un nazi” – Tomás Abraham

PERFIL, Argentina, 16 de mayo 2021 Tomás Abraham se pregunta en su último libro por qué vino de Rumania (y aun así se considera argentino), por qué sus padres se salvaron del genocidio de 350 mil judíos rumanos y por qué en su ciudad natal las sinagogas, sin daños aparentes, están cerradas con candados. Vacía.… Continue lendo “Cómo se fabrica un nazi” – Tomás Abraham

Cioran e a “ferida secreta de não ser músico”

"Tudo o que me ocupa, essas nostalgias de todo tipo, esses dilaceramentos uivantes, essa tristeza subterrânea, e esses arrepios de além de todos os mundos - é através da música que eu teria podido expressá-los, e é com toda razão que eu posso me declarar um fracassado [raté] por não ser músico.Essa ferida secreta de… Continue lendo Cioran e a “ferida secreta de não ser músico”

A centralidade do Coração no processo de cognição e na constituição da subjetividade, segundo Cioran

"Que haja ou não uma solução para os problemas, isso só preocupa uma minoria; que os sentimentos não tenham nenhuma saída, que não venham dar em nada, que se percam neles mesmos, eis o drama inconsciente de todos, o insolúvel afetivo que cada um sofre sem pensar nele."CIORAN, Silogismos da amargura (1952) "Olhando as coisas… Continue lendo A centralidade do Coração no processo de cognição e na constituição da subjetividade, segundo Cioran

„Doar prin inimă ştim că se schimbă ceva”: interviu realizat de Rodrigo Menezes cu Simona Constantinovici despre Dicţionarul de termeni cioranieni

ARCA - Revistă de literatură, eseu, arte vizuale, muzică, n. 1/2021. ISSN: 1584-4250. Simona Constantinovici (n. 1968) este scriitoare. Trăieşte în Timişoara. Predă lexicologie, lexicografie poetică, stilistică, semantică interpretativă şi scriere creativă la Universitatea de Vest din Timişoara, Facultatea de Litere, Istorie şi Teologie. A publicat 15 cărţi. Poemele şi câteva povestiri i‑au apărut în numeroase… Continue lendo „Doar prin inimă ştim că se schimbă ceva”: interviu realizat de Rodrigo Menezes cu Simona Constantinovici despre Dicţionarul de termeni cioranieni

“Só através do coração sabemos que algo muda”: entrevista com Simona Constantinovici sobre o Dicţionar de Termeni Cioranieni (3/3)

"Todo escritor deve ser conhecido assim, em sua inteireza, e não apenas em fragmentos. Ou melhor, um fragmento deve ser comparado sempre com as demais partes integrantes da obra para que, finalmente, se possa extrair uma rede de significados, uma substância ativa, um genoma, um DNA de identificação. Mas, como apenas em fragmentos podemos explorar… Continue lendo “Só através do coração sabemos que algo muda”: entrevista com Simona Constantinovici sobre o Dicţionar de Termeni Cioranieni (3/3)

“Only from the heart do we know when something changes”: interview with Simona Constantinovici about the Dictionary of Cioranian terms

“The Dictionary of Cioranian Terms intends to be a sort of invitation to read the philosopher in a different way, to put him in a light that extracts its fascicles from the substance of the words, from their uninterrupted story, impacting a future that stands, as a prey, lurking it.”Simona Constantinovici Simona Constantinovici (born 1968)… Continue lendo “Only from the heart do we know when something changes”: interview with Simona Constantinovici about the Dictionary of Cioranian terms

“Goles que nos pusieron en el mapa” (Carlos Rehermann)

Da la impresión de que Cioran habla de un Uruguay celestial como de un triángulo de cuatro lados, un conjunto vacío: simplemente instala en nuestra imaginación una idea obtusa o ridícula. Lo cierto es que no deja de tener cierta carga de agresividad o desprecio. Una Jerusalén celestial no es ridícula, ni una Grecia empírea,… Continue lendo “Goles que nos pusieron en el mapa” (Carlos Rehermann)

“I libri romeni di Emil Cioran” (Amelia Natalia Bulboacă)

La Biblioteca di via Senato, no. 11, novembre 2020 Quando nel 1949 Emil Cioran (1911-1995) dava alle stampe da Gallimard il suo primo libro francese, Précis de décomposition (insignito l’anno seguente del Premio Rivarol), a Parigi era un perfetto sconosciuto ma in patria si era lasciato alle spalle cinque libri pubblicati e una non meno… Continue lendo “I libri romeni di Emil Cioran” (Amelia Natalia Bulboacă)

“Cioran, prophète de l’isolement” (Cristina Hermeziu)

ActuaLitté - Les Univers du Livre, 14 avril 2020 On ne s’ennuie pas avec Cioran, exquis compagnon de confinement. Lorsque, de surcroît, le temps devient un surplus inespéré, l’injonction d’embrasser le chez soi comme la seule frontière sociale admissible retentit hélas comme un écho cioranien par excellence. Mais, jubilation paradoxale, on ne s’ennuie jamais avec… Continue lendo “Cioran, prophète de l’isolement” (Cristina Hermeziu)