“Da Sensação de Elasticidade Quando se Marcha sobre Cadáveres” (uma parábola) – Matéi VISNIEC

ERA UMA VEZ um rei de um país que não tinha nome. O reizinho também não tinha nome. E o rei, como era baixinho, não suportava que seus súditos fossem maiores do que ele. Então, quando o rei passeava pelas ruas, as pessoas tinham que andar pelas valetas, pois assim o rei parecia maior. Mas… Continue lendo “Da Sensação de Elasticidade Quando se Marcha sobre Cadáveres” (uma parábola) – Matéi VISNIEC

“Política e religião segundo o filósofo John Gray” – Eduardo WOLF; Jerônimo TEIXEIRA

Que relações existem entre o ateísmo e a vida política atual? Qual o espaço da religião na vida contemporânea? https://www.youtube.com/watch?v=TnkQZrCcfm0 Eduardo Wolf e o escritor e jornalista Jerônimo Teixeira debateram esses e outros temas sobre obra do filósofo inglês John Gray, na Live Fronteiras do dia 14/04/2021. MAIS DE/SOBRE JOHN GRAY:

“Acedia” – CIORAN

Esta estagnação dos órgãos, este embotamento das faculdades, este sorriso petrificado não te recordam muitas vezes o tédio dos claustros, os corações desertos de Deus, a secura e a idiotia dos monges execrando-se no arrebatamento extático da masturbação? És apenas um monge sem hipóteses divinas e sem o orgulho do vício solitário. A terra, o… Continue lendo “Acedia” – CIORAN

Comentarios al libro “Influencias culturales francesas y alemanas en la obra de Cioran” de Ciprian Vălcan – Francisco Pamplona RANGEL

FILHA - Revista Digital de la Unidad Académica de Docencia Superior, Universidad Autónoma de Zacatecas, Julio-diciembre 2022, número 27. ISSN: 2594-0449. La obra del rumano-francés Emil Cioran o como lo conocimos en español hace más de 40 años E. M. Cioran, es una de las más elusivas y más lúcidas en la historia del pensamiento del… Continue lendo Comentarios al libro “Influencias culturales francesas y alemanas en la obra de Cioran” de Ciprian Vălcan – Francisco Pamplona RANGEL

“Histeria da Eternidade” – CIORAN

Concebo que se possa ter gosto pela cruz, mas reproduzir todos os dias o acontecimento batido do Calvário tem algo de maravilhoso, de insensato e de estúpido. Pois, afinal de contas, se se abusa dos prestígios do Salvador, Ele se torna tão fastidioso como qualquer outro. Os santos foram grandes perversos; como as santas, magníficas… Continue lendo “Histeria da Eternidade” – CIORAN

“Os deicídios” – CAMUS

A justiça, a razão, a verdade brilhavam ainda no céu jacobino; essas estrelas fixas podiam ao menos servir de pontos de referência. Os pensadores alemães do século XIX, particularmente Hegel, quiseram continuar a obra da revolução francesa,1 ao suprimirem as causas de seu malogro. Hegel acreditou discernir que o Terror estava de antemão contido na… Continue lendo “Os deicídios” – CAMUS

“Pobreza da sabedoria” – CIORAN

Detesto os sábios por seu comodismo, seu medo e sua reserva. Amo infinitamente mais os homens dominados por grandes paixões que os devoram até a morte, do que a monótona disposição dos sábios, que os torna insensíveis tanto ao prazer quanto à dor. O sábio desconhece o caráter trágico da paixão, desconhece o medo da… Continue lendo “Pobreza da sabedoria” – CIORAN

Alemanha celebra 200 anos da morte de Schiller | DW News

Deutsche Welle, 9 de maio de 2005 Chamado de "Shakespeare alemão" e grande amigo de Goethe, Friedrich Schiller teve sua obra usurpada pelos ideólogos nazistas. Bem antes disso, seus dramas e poemas haviam servido de inspiração para Dostoiévski e Freud. Talvez conseqüência do uso de seu nome pelos nazistas, os teatros alemães ocidentais do pós-guerra… Continue lendo Alemanha celebra 200 anos da morte de Schiller | DW News

“Os crentes e sua necessidade de crer” – NIETZSCHE

Os crentes e sua necessidade de crer. — O quanto de fé alguém necessita para crescer, o quanto de “firme”, que não quer ver sacudido, pois nele se segura — eis uma medida de sua força (ou, falando mais claramente, de sua fraqueza). Na velha Europa de hoje, parece-me que a maioria das pessoas ainda… Continue lendo “Os crentes e sua necessidade de crer” – NIETZSCHE

“As velhinhas e o diabo: aforismos para tempos que esperam pelo despertar da história” – Rodrigo MENEZES

Revista Humanitas, 154, agosto de 2022 O que pareceria uma associação improvável, representada no título do novo livro de Ciprian Vălcan, revela-se, através dos aforismos do autor romeno, a metáfora de uma terrível “afinidade eletiva” Things are gonna slidein all directionsWon’t be nothing, nothingyou can measure anymoreAnd the blizzard of the worldhas crossed the thresholdand… Continue lendo “As velhinhas e o diabo: aforismos para tempos que esperam pelo despertar da história” – Rodrigo MENEZES