“A Short History of Authentic Time” – Peter SLOTERDIJK

According to a bon mot of Adolf von Harnack, Gnosticism signifies the acute Hellenization of Christianity. This bon mot would itself remain a profound remark only if one were successful in confirming the hypotheses about the non-Christian origin of Gnosticism. For, wherever Gnosticism may have arisen – in heretical and apocalyptic Judaism, in irrational dualism,… Continue lendo “A Short History of Authentic Time” – Peter SLOTERDIJK

“Um Jesus, vários Cristos” – Marilia FIORILLO

No início havia apenas um judeu herético, Jesus de Nazaré.HANS DIETER BETZ O cristianismo atual — mórmon, luterano, anglicano, pentecostal, presbiteriano, adventista, católico etc. etc. — tem muito menos denominações do que teve no início. A unanimidade da Igreja primitiva é a mais mirabolante das ficções. Como fato, é comprovadamente falso. E mesmo como dogma… Continue lendo “Um Jesus, vários Cristos” – Marilia FIORILLO

“A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

Mas ainda é a hora dos homens de letras. O romantismo, com sua revolta luciferina, só servirá realmente às aventuras da imaginação. Como Sade, ele se separará da revolta da antiguidade pela preferência dada ao mal e ao indivíduo. Ao ressaltar seus poderes de desafio e de recusa, a revolta nesse estágio esquece seu conteúdo… Continue lendo “A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

“A revolta metafísica” – Albert CAMUS

A revolta metafísica é o movimento pelo qual um homem se insurge contra a sua condição e contra a criação. Ela é metafísica porque contesta os fins do homem e da criação. O escravo protesta contra tal condição no interior de seu estado de escravidão; o revoltado metafísico, contra sua condição na qualidade de homem.… Continue lendo “A revolta metafísica” – Albert CAMUS

“Money, Sex, War, Karma: Notes for a Buddhist Revolution” (introduction) – David R. LOY

Now that Buddhism has come to the West, how are they changing each other? Half a century ago the British historian Arnold Toynbee predicted that their encounter would be a major event in world history. According to one account he even claimed that the arrival of Buddhism in the West “may well prove to be… Continue lendo “Money, Sex, War, Karma: Notes for a Buddhist Revolution” (introduction) – David R. LOY

Ceticismo como doença da vontade e a niilina russa – NIETZSCHE

Se hoje um filósofo dá a entender que não é cético —espero que tal se tenha subentendido nessa descrição do espírito objetivo —, todos escutam isso com desgosto; observam-no com algum receio, gostariam de lhe perguntar tantas, tantas coisas… sim, entre ouvintes temerosos, tais como existem hoje em quantidade, ele é doravante considerado perigoso. Para… Continue lendo Ceticismo como doença da vontade e a niilina russa – NIETZSCHE

“Gnosticism as negative psychology” – Peter SLOTERDIJK

In Gnosticism metaphysics is transformed into psychopathology and pneumato-pathology. It deems the arrival of the soul in the world to be a catastrophe of alienation; all life in the dazzling direction of the outward path is, in a fundamental sense, “grieving” – which is the effect of separating from the self. As a critique of… Continue lendo “Gnosticism as negative psychology” – Peter SLOTERDIJK

Pornografia – Byung-Chul HAN

A pornografia serve ao mero viver exposto. É o exato contraposto de eros. Ela aniquila a sexualidade. Nesse sentido, é muito mais efetiva que a moral: “A sexualidade não se desvanece na sublimação, na repressão e na moral, mas muito provavelmente naquilo que é mais sexual que o sexual: na pornografia”. A pornografia tira sua… Continue lendo Pornografia – Byung-Chul HAN

“Mihail Sebastian’s Journal: The Fascist Years (1935-1944)” – Radu IOANID

On 29 May 1945, as he rushed to cross a street in downtown Bucharest, thirty-eight-year-old Mihail Sebastian, a press officer at the Romanian Ministry of Foreign Affairs, was hit and killed by a truck. As it happened, Sebastian was late to an appointment at Dalles Hall where he was to teach a class about Honoré… Continue lendo “Mihail Sebastian’s Journal: The Fascist Years (1935-1944)” – Radu IOANID

“O absurdo e o assassinato” – Albert CAMUS

Há crimes de paixão e crimes de lógica. O código penal distingue um do outro, bastante comodamente, pela premeditação. Estamos na época da premeditação e do crime perfeito. Nossos criminosos não são mais aquelas crianças desarmadas que invocavam a desculpa do amor. São, ao contrário, adultos, e seu álibi é irrefutável: a filosofia pode servir… Continue lendo “O absurdo e o assassinato” – Albert CAMUS