“Jan Bockelson’s Münster: an early modern communist theocracy” – John GRAY

When he described Bolshevism as a religion rather than ‘an ordinary political movement’, Bertrand Russell hit on a larger truth. Because they shared some of the myths of monotheism, the great modern political experiments have been religious in nature. This can be seen by considering the millenarian movements of early modern times. At the end… Continue lendo “Jan Bockelson’s Münster: an early modern communist theocracy” – John GRAY

“A religião dinâmica” – Henri BERGSON

Lancemos um olhar retrospectivo sobre a vida, cujo desenvolvimento acompanhamos noutra ocasião até o ponto em que a religião dela devia sair. Grande fluxo de energia criadora lança-se na matéria para obter dela o que pode. Na maior parte dos pontos ele se deteve; essas pausas se traduzem ao nosso ver por outros tantos aparecimentos… Continue lendo “A religião dinâmica” – Henri BERGSON

“Misticismo cristão” – Henri BERGSON

O misticismo completo é, com efeito, os dos grandes místicos cristãos. Deixemos de lado, por ora, o seu cristianismo, e consideremos neles a forma sem matéria. Não é dubitável que em maioria tenham passado por estados que se assemelham aos diversos pontos de chegada do misticismo antigo. Mas eles apenas passaram: encurvando-se sobre si mesmos… Continue lendo “Misticismo cristão” – Henri BERGSON

“O Suplício (II)” – Georges BATAILLE

Derrisão! que me digam panteísta, ateu, teísta!… Mas grito ao céu: “não sei nada”. E repito com uma voz cômica (grito ao céu, às vezes, deste jeito): “nada, absolutamente”. O extremo do possível. – No final, aí estamos. Mas tão tarde?… Como, sem o saber, chegamos aí? (em verdade, nada mudou) por um desvio: um… Continue lendo “O Suplício (II)” – Georges BATAILLE

“O Suplício (I)” – Georges BATAILLE

Há nas coisas divinas uma transparência tão grande que escorregamos para o fundo iluminado do riso mesmo a partir de intenções opacas. Vivo de experiência sensível e não de explicação lógica. Tenho do divino uma experiência tão maluca que rirão de mim se falar dela. Entro num beco sem saída. Nele, toda possibilidade se esgota,… Continue lendo “O Suplício (I)” – Georges BATAILLE

Variaciones sobre Dios en «El Ocaso del Pensamiento» (Amurgul gândurilor, 1940), de Cioran

En Ese Maldito Yo [Aveux et Anathèmes, 1987], su último libro, Cioran escribe: "Abuso de la palabra Dios, la utilizo con frecuencia, con demasiada frecuencia. Lo hago cada vez que alcanzo un extremo y necesito un vocablo para nombrar lo que hay después. Prefiero Dios a lo Inconcebible." El Ocaso del Pensamiento (Amurgul gândurilor, 1940),… Continue lendo Variaciones sobre Dios en «El Ocaso del Pensamiento» (Amurgul gândurilor, 1940), de Cioran

“La tradición hermética: revelación antigua y recepciones de Hermes Trismegistos” – Miguel Herrero de JÁUREGUI

Fundación Juan March, 26 de abril de 2018 https://www.youtube.com/watch?v=Du9rp--Lk1Y&t=60s Hermes Trimegisto resulta del sincretismo de dos antiguos dioses, el egipcio Thoth y el griego Hermes. Trimegisto, o “tres veces grande”, es epíteto de la fusión de ambas divinidades, convirtiéndose, “en su racionalización” cristiana, en un antiguo profeta que habría recibido una revelación divina en época… Continue lendo “La tradición hermética: revelación antigua y recepciones de Hermes Trismegistos” – Miguel Herrero de JÁUREGUI

“Iluminismo, Romantismo e Misticismo a partir da obra de Kant” – André Luiz Pinto da Rocha

Revista Terceira Margem - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da UFRJ,  v. 20, n. 33 (2016). Resumo: O objetivo desse artigo é analisar a instauração da filosofia contemporânea tendo como enfoque dois movimentos, a Ilustração e o Romantismo. A filosofia kantiana será levada em conta, em especial, a analítica do Belo. A tese então… Continue lendo “Iluminismo, Romantismo e Misticismo a partir da obra de Kant” – André Luiz Pinto da Rocha

“A alma enferma” – William JAMES

Em nosso último encontro, consideramos o temperamento equilibrado, o temperamento que tem uma incapacidade constitucional para o sofrimento prolongado, e no qual a tendência para ver as coisas por um prisma otimista é como a água de cristalização em que se coloca o caráter do indivíduo. Vimos que esse temperamento pode tomar-se a base de… Continue lendo “A alma enferma” – William JAMES

“John Gray e o equívoco do gnosticismo” – Rodrigo MENEZES

Em A alma da marionete (The Soul of the Marionette, 2015), John Gray dava indícios de compreender equivocadamente o assim-chamado "gnosticismo": a gnose da heresia gnóstica surgida no cristianismo primitivo, nos primeiros séculos da nossa era, e ressurgida na Idade Média, entre os cátaros e outros grupos religiosos sectários. Ele escreve: Hoje em dia, muitas… Continue lendo “John Gray e o equívoco do gnosticismo” – Rodrigo MENEZES