“Albert Camus: existĂȘncia, absurdo e responsabilidade” – MaurĂ­cio MARSOLA

A obra de Albert Camus, romancista, dramaturgo, ensaĂ­sta e filĂłsofo franco-argelino, Ă© tradicionalmente associada ao existencialismo. Mais especificamente, os leitores de Camus sabemos todos que o autor nos legou importantes reflexĂ”es acerca do "absurdo" da existĂȘncia humana. Mas afinal, qual Ă© o significado dessa reflexĂŁo? De que modo o autor de romances seminais como O… Continue lendo “Albert Camus: existĂȘncia, absurdo e responsabilidade” – MaurĂ­cio MARSOLA

Publicidade

“Ceticismo e pessimismo sĂŁo ramos do mesmo tronco” – Giuseppe RENSI

Questo libro Ăš l'illustrazione d'una visuale: d'una visuale scettica e pessimista. GiacchĂ©, sebbene da molti astrattisti della critica si ponga il dilemma: o pessimismo (che Ăš affermazione d'una conoscenza della realtĂ ) o scetticismo (che Ăš dichiarazione dell'impossibilitĂ  di conoscere), e riguardo al Leopardi si dica: non fu definitivamente scettico perchĂ© fu pessimista; chiunque non si… Continue lendo “Ceticismo e pessimismo sĂŁo ramos do mesmo tronco” – Giuseppe RENSI

“Ensaios sobre o exĂ­lio: o reino perdido de Albert Camus” – Gabriel Villatore BIGARDI

Dissertação apresentada ao curso de PĂłs-Graduação em Filosofia, Setor de CiĂȘncias Humanas, Universidade Federal do ParanĂĄ, como requisito parcial Ă  obtenção do tĂ­tulo de Mestre em Filosofia, 2020. [PDF] Com o objetivo de apresentar uma leitura e uma articulação do conceito de ExĂ­lio, na obra de Albert Camus, atravĂ©s de Ensaios, este trabalho pretende analisar… Continue lendo “Ensaios sobre o exĂ­lio: o reino perdido de Albert Camus” – Gabriel Villatore BIGARDI

“Camus e o Ășnico problema filosĂłfico realmente sĂ©rio” – Ariano SUASSUNA

SĂł existe um problema filosĂłfico realmente sĂ©rio: o suicĂ­dio. Julgar se a vida vale ou nĂŁo vale a pena ser vivida Ă© responder Ă  pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem trĂȘs dimensĂ”es, se o espĂ­rito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; Ă© preciso primeiro responder. E se… Continue lendo “Camus e o Ășnico problema filosĂłfico realmente sĂ©rio” – Ariano SUASSUNA

“O absurdo e o assassinato” – Albert CAMUS

HĂĄ crimes de paixĂŁo e crimes de lĂłgica. O cĂłdigo penal distingue um do outro, bastante comodamente, pela premeditação. Estamos na Ă©poca da premeditação e do crime perfeito. Nossos criminosos nĂŁo sĂŁo mais aquelas crianças desarmadas que invocavam a desculpa do amor. SĂŁo, ao contrĂĄrio, adultos, e seu ĂĄlibi Ă© irrefutĂĄvel: a filosofia pode servir… Continue lendo “O absurdo e o assassinato” – Albert CAMUS

“O absurdo e o suicĂ­dio” – CAMUS

SĂł existe um problema filosĂłfico realmente sĂ©rio: o suicĂ­dio. Julgar se a vida vale ou nĂŁo vale a pena ser vivida Ă© responder Ă  pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem trĂȘs dimensĂ”es, se o espĂ­rito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; Ă© preciso primeiro responder. E se… Continue lendo “O absurdo e o suicĂ­dio” – CAMUS

“A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka” – Albert CAMUS

O estudo sobre Franz Kafka que publicamos em apĂȘndice foi substituĂ­do na primeira edição de O mito de SĂ­sifo pelo capĂ­tulo sobre DostoiĂ©vski e o suicĂ­dio. PorĂ©m foi publicado pela revista L’ArbalĂšte em 1943. Nele se encontrarĂĄ, em outra perspectiva, a crĂ­tica da criação absurda jĂĄ iniciada nas pĂĄginas sobre DostoiĂ©vski. (Nota do editor francĂȘs.)… Continue lendo “A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka” – Albert CAMUS

Filosofia & Romance – Albert CAMUS

Todas essas vidas mantidas no ar avaro do absurdo nĂŁo se sustentam sem algum pensamento profundo e constante que as impulsione com sua força. SĂł pode ser, aqui, um singular sentimento de fidelidade. Homens conscientes foram vistos cumprindo sua tarefa em meio Ă s guerras mais estĂșpidas sem por isso se considerarem em contradição. Tratava-se de… Continue lendo Filosofia & Romance – Albert CAMUS

Chestov e a “tradição do pensamento humilhado” – Albert CAMUS

A inteligĂȘncia tambĂ©m me diz, Ă  sua maneira particular, que este mundo Ă© absurdo. Seu contrĂĄrio, que Ă© a razĂŁo cega, prefere pretender que tudo estĂĄ claro; eu esperava provas e desejava que ela tivesse razĂŁo. Mas, apesar de tantos sĂ©culos pretensiosos e acima de tantos homens eloquentes e persuasivos, sei que isto Ă© falso.… Continue lendo Chestov e a “tradição do pensamento humilhado” – Albert CAMUS

Cioran, Chestov, Kierkegaard & a filiação-Jó

Quando penso quĂŁo pouco aprendi dos grandes filĂłsofos! Nunca me fizeram falta nem Kant, nem Descartes nem AristĂłteles; seu pensamento vale somente para nossos momentos de solidĂŁo, para nossas dĂșvidas consentidas. Mas me detive em JĂł, com uma piedade filial. CIORAN, O Livro das ilusĂ”es "A covardia humana nĂŁo pode suportar o que nos dizem… Continue lendo Cioran, Chestov, Kierkegaard & a filiação-JĂł