“A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka” – Albert CAMUS

O estudo sobre Franz Kafka que publicamos em apêndice foi substituído na primeira edição de O mito de Sísifo pelo capítulo sobre Dostoiévski e o suicídio. Porém foi publicado pela revista L’Arbalète em 1943. Nele se encontrará, em outra perspectiva, a crítica da criação absurda já iniciada nas páginas sobre Dostoiévski. (Nota do editor francês.)… Continue lendo “A esperança e o absurdo na obra de Franz Kafka” – Albert CAMUS

Filosofia & Romance – Albert CAMUS

Todas essas vidas mantidas no ar avaro do absurdo não se sustentam sem algum pensamento profundo e constante que as impulsione com sua força. Só pode ser, aqui, um singular sentimento de fidelidade. Homens conscientes foram vistos cumprindo sua tarefa em meio às guerras mais estúpidas sem por isso se considerarem em contradição. Tratava-se de… Continue lendo Filosofia & Romance – Albert CAMUS

Chestov e a “tradição do pensamento humilhado” – Albert CAMUS

A inteligência também me diz, à sua maneira particular, que este mundo é absurdo. Seu contrário, que é a razão cega, prefere pretender que tudo está claro; eu esperava provas e desejava que ela tivesse razão. Mas, apesar de tantos séculos pretensiosos e acima de tantos homens eloquentes e persuasivos, sei que isto é falso.… Continue lendo Chestov e a “tradição do pensamento humilhado” – Albert CAMUS

Cioran, Chestov, Kierkegaard & a filiação-Jó

Quando penso quão pouco aprendi dos grandes filósofos! Nunca me fizeram falta nem Kant, nem Descartes nem Aristóteles; seu pensamento vale somente para nossos momentos de solidão, para nossas dúvidas consentidas. Mas me detive em Jó, com uma piedade filial. CIORAN, O Livro das ilusões "A covardia humana não pode suportar o que nos dizem… Continue lendo Cioran, Chestov, Kierkegaard & a filiação-Jó

Desespero, a maior vantagem humana: Kierkegaard & Cioran

"A superioridade do homem sobre o animal está pois em ser suscetível de desesperar. [...] Assim há uma infinita vantagem em poder desesperar, e, contudo, o desespero não só é a pior das misérias, como a nossa perdição." (Kierkegaard, O Desespero humano) * "Não existem argumentos para viver. Quem chegou ao limite ainda pode recorrer… Continue lendo Desespero, a maior vantagem humana: Kierkegaard & Cioran

In dialogo con Mirko Integlia su «Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran»

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI, n. 12, dicembre 2019, anno IX È stato pubblicato da poco un nuovo libro su Cioran, uno importantissimo, a giudicare dal tema e dall’approccio: Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran (Libreria Editrice Vaticana, 2019), scritto dal filosofo e teologo Mirko Integlia. Un’approfondita analisi storico-ermeneutica di questo che l’esegeta concepisce come… Continue lendo In dialogo con Mirko Integlia su «Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran»

“Cioran, o místico de uma era pós-Deus”: entrevista com Mirko Integlia

In memoriam: María Liliana Herrera Alzate (1960-2019) Acaba de ser publicado, em inglês, um novo livro de exegese crítica sobre Cioran, uma exegese importante tanto pela temática quanto pela abordagem: Atormentado por Deus: o niilismo místico de Cioran (Libreria Editrice Vaticana, 2019), do filósofo e teólogo Mirko Integlia. Uma minuciosa análise textual e contextual, histórico-hermenêutica,… Continue lendo “Cioran, o místico de uma era pós-Deus”: entrevista com Mirko Integlia

Sobre cinismos, niilismos e terrorismo de Estado (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Com o absurdo não se barganha, não se negocia. “Absurdo”, ou seja, esta palavrinha que nós, modernos, encontramos para maquiar o Mal. Como as explicações teológicas e metafísicas perderam sua razão de ser, não pegaria bem continuar usando tão atávica (e suja) expressão: “o Mal”. “O absurdo” soa melhor, mais moderno, mais filosófico, menos "cristão"… A… Continue lendo Sobre cinismos, niilismos e terrorismo de Estado (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Holy Motors”: o cinema do absurdo e sua cruel beleza (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Holy Motors ("Motores Sagrados", 2012). Um filme francês apesar do nome, um tanto intrigante a princípio, mas que não poderia ser mais acertado. Tanto o fato de ser em inglês quanto em termos semânticos. No início, um homem. Muitíssimo rico, saindo de manhã cedo de sua suntuosa mansão nos arredores de Paris, terno e gravata, maleta… Continue lendo “Holy Motors”: o cinema do absurdo e sua cruel beleza (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“O absurdo e a revolta em Camus” (José João Neves Barbosa Vicente & Frances Deizer Gontijo)

TRÍAS - Revista eletrônica online de Filosofia, História, Literatura e Ciências Sociais, nº 3 (2º semestre de 2011) RESUMO: O presente artigo propõe analisar os conceitos de absurdo e de revolta na obra O homem revoltado (1999) de Albert Camus no intuito de mostrar que, no primeiro conceito existe um “eu” solitário, no segundo, um “eu” solidário. A análise… Continue lendo “O absurdo e a revolta em Camus” (José João Neves Barbosa Vicente & Frances Deizer Gontijo)