Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Ser mais inutilizável que um santo…Silogismos da amargura O cético, para o grande desespero do demônio, é o homem inutilizável por excelência.La Chute dans le temps Uma boa maneira de entender o que muda no modo de pensar de Cioran, na transição entre a juventude nacionalista e a maturidade exilada, entre seus livros romenos e… Continue lendo Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

“A alegria, a graça e a felicidade segundo Clément Rosset” (José Thomaz Brum)

Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, Santa Maria, v.11, n.1, p.227-230. Originalmente publicado sob o título La joie, la grâce et le bonheur selon Clément Rosset no periódico francês Alkemie: Revue semestrielle de littérature et philosophie, n. 11 (Dossiê temático “Le Bonheur”), junho de 2013, p. 54-56. Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar as concepções… Continue lendo “A alegria, a graça e a felicidade segundo Clément Rosset” (José Thomaz Brum)

Cioran e a Ética do Sacríficio

Rebentar com todo o ardor apaixonado de nossa alma, vencer toda a resistência e destruir todos os obstáculos que existem no caminho de nossa grande loucura. Estar orgulhosos de nossa absurda e infinita coragem e partir em meio a essa embriaguez de orgulho e de êxtase para os últimos cumes do ser, impulsionados pela sede… Continue lendo Cioran e a Ética do Sacríficio

“O trágico da existência na filosofia de Cioran” (Rogério de Almeida)

O objetivo deste artigo é refletir sobre o pensamento de Emil Cioran e as possíveis relações com uma filosofia trágica, como a de Friedrich Nietzsche e Clément Rosset. Como método, adotou-se a escrita fragmentada dos aforismos, emulando o estilo de escrita de Cioran. A reflexão aponta que Cioran é um filósofo do pior, que pensa negativamente a vida, mas também a afirma, a aprova, ainda que esta seja racionalmente injustificável.