“Do Eros criador aos ‘Funerais do Desejo’: Amor, Êxtase e (Des)Ilusão em Cioran” – Juan Pablo Enos 🇧🇷

https://youtu.be/Hodq_1OFY0g A fecundidade do amor bem como as tragédias relativas aos efeitos de Eros são temas recorrentes ao longo da obra de Cioran. Nesta comunicação, apresentarei alguns dos trechos em que o amor, seja em seus aspectos fisiológicos, éticos e estéticos são abordados na obra do autor. Desde o ensaio de juventude “Ser Lírico”, onde… Continue lendo “Do Eros criador aos ‘Funerais do Desejo’: Amor, Êxtase e (Des)Ilusão em Cioran” – Juan Pablo Enos ðŸ‡§ðŸ‡·

O Princípio de Crueldade (post-scriptum) – Clément ROSSET

A crueldade da realidade é ilustrada de maneira particularmente espetacular e significativa na crueldade do amor — tema conhecido e já sobejamente analisado, é verdade, mas é o privilégio das questões profundas permitir sempre uma análise parcialmente renovada, como é o privilégio de toda grande obra de arte, musical por exemplo, oferecer sempre matéria para… Continue lendo O Princípio de Crueldade (post-scriptum) – Clément ROSSET

“Indicios del odioamoramiento en la vida y obra de E. M. Cioran” (Aleyda Muñoz López)

Revista Desde el Jardín de Freud, Universidad Nacional de Colombia, nr. 19 (2019): 299-310, doi: 10.15446/djf.n19.76726 Indicios del odioamoramiento en la vida y obra de E. M. Cioran En términos de Freud, la acción conjugada, y también contrapuesta, de Eros y Tánatos nos permite entender los fenómenos de la vida. Por otro lado, Lacan precisa… Continue lendo “Indicios del odioamoramiento en la vida y obra de E. M. Cioran” (Aleyda Muñoz López)

“O amor no século XX: romantismo democrático versus intimismo terapêutico” (Francisco Rüdiger)

Tempo Social, vol. 24, no.2, São Paulo, nov. 2012 RESUMO: O objetivo do artigo é esclarecer de que modo a paulatina legitimação dos padrões de relacionamento romântico ocorrida no século passado - conforme pregados por várias defensoras da reforma dos costumes e promovidos por meios de comunicação em massa - enfrenta a resistência, entre os setores partidários do racionalismo terapêutico,… Continue lendo “O amor no século XX: romantismo democrático versus intimismo terapêutico” (Francisco Rüdiger)

“Poema de Natal” – Vinícius de MORAES

https://www.youtube.com/watch?v=5hF4UvdD9LE&t=3s Para isso fomos feitosPara lembrar e ser lembradosPara chorar e fazer chorarPara enterrar os nossos mortosPor isso temos braços longos para os adeusesMãos para colher o que foi dadoDedos para cavar a terra Assim será a nossa vidaUma tarde sempre a esquecerUma estrela a se apagar na trevaUm caminho entre dois túmulosPor isso precisamos… Continue lendo “Poema de Natal” – Vinícius de MORAES

Refutações Paradoxais do Suicídio – CIORAN

"Por que eu não me suicido? Porque a morte me enoja tanto quanto a vida."  (Nos cumes do desespero) Se o sofrimento não fosse um instrumento de conhecimento, o suicídio seria obrigatório. E a vida mesma -- com sua dolorosa inutilidade, sua obscura bestialidade, que nos arrasta aos erros para nos pendurar, de vez em… Continue lendo Refutações Paradoxais do Suicídio – CIORAN

Eros, alteridade e transcendência (Byung-Chul Han)

A DEPRESSÃO é uma enfermidade narcísica. O que leva à depressão é uma relação consigo mesmo exageradamente sobrecarregada e pautada num controle exagerado e doentio. O sujeito depressivo-narcisista está esgotado e fatigado de si mesmo. Não tem mundo e é abandonado pelo outro. Eros e depressão se contrapõem mutuamente. O eros arranca o sujeito de… Continue lendo Eros, alteridade e transcendência (Byung-Chul Han)

“O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

RESUMO: O filósofo e ensaísta Emil Cioran é constantemente lembrado pelo seu ceticismo, lucidez, desespero e pessimismo. No entanto, mostro nesta comunicação as diversas formas em que o amor, de carácter individual e criador, aparece em seus dois primeiros escritos de juventude. Neste momento, Cioran vê o amor como fonte vital de transfiguração. Em sua […]… Continue lendo “O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

La amiga alemana de Cioran (José Ignacio Nájera)

Tras un día de debates acadêmicos y celebración de los 70 años desde la publicación del primer libro de Cioran escrito en francés, el Précis de décomposition, nada mejor para coronar un día perfectamente cioraniano (incluso la lluvia ayudó) que recibir un texto inédito de un importante colaborador del Portal E.M.Cioran 🇧🇷: el profesor José… Continue lendo La amiga alemana de Cioran (José Ignacio Nájera)

“Hallelujah” (Leonard Cohen)

https://www.youtube.com/embed/YrLk4vdY28Q?version=3&rel=1&fs=1&autohide=2&showsearch=0&showinfo=1&iv_load_policy=1&wmode=transparent Some human beings transcend the natural convention of being an individual: they are entities. Thus, for instance, Leonard Cohen: Lord Cohen… Hallelujah, L’rd! via “Hallelujah” (Leonard Cohen) — Itinerarivm Mentis in Nihilvm