“Jeff Koons e a estĂ©tica do liso” – Byung-Chul HAN

O liso Ă© a marca do presente. É ele que conecta as esculturas de Jeff Koons, iPhones e a depilação Ă  brasileira, como Ă© conhecida a depilação total na Europa. Por que achamos belo, nos dias de hoje, o liso? AlĂ©m do efeito estĂ©tico, nele se reflete um imperativo social universal. Ele corporifica a sociedade… Continue lendo “Jeff Koons e a estĂ©tica do liso” – Byung-Chul HAN

Publicidade

As esculturas-fragmento de Darius Hulea

O escultor romeno Darius Hulea trabalha com arame de metal para criar uma forma de arte fascinante e ao mesmo tempo inquietante. Suas esculturas refletem, segundo Jessica Stewart, as dimensĂ”es exterior e interior da psique humana. Suas esculturas retratam filĂłsofos, escritores e artistas e romenos, dentre eles Emil Cioran e Lucian Blaga. As esculturas tĂȘm… Continue lendo As esculturas-fragmento de Darius Hulea

“Oskar Kokoschka” (Emil Cioran)

In: Solitude et destin. Trad. de Alain Paruit. Paris: Gallimard, 2001, p. 30-32. Originalmente publicado em GĂąndirea, Bucareste, setembro/novembro de 1931. * Se Picasso Ă© caracterĂ­stico de nossa Ă©poca (entendendo-se as Ășltimas dĂ©cadas) por sua mobilidade e por seu espĂ­rito proteiforme, pelas numerosas correntes das quais participou sem ser capaz de encontrar uma consistĂȘncia espiritual, Kokoschka… Continue lendo “Oskar Kokoschka” (Emil Cioran)

Cioran e a arte de Dan Perjovschi

Os desenhos foram feitos pelo artista romeno Dan Perjovschi no Ăąmbito do projeto Cioran na rua, organizado em abril de 2011 pela Embaixada da França na RomĂȘnia, pelo Instituto FrancĂȘs de Bucareste, com a participação do artista, para celebrar os 100 anos de nascimento do escrito e filĂłsofo romeno Emil Cioran. Fonte: Scielo.br

“Artistas y filĂłsofos, viajeros solitarios”, por Pablo AndrĂ©s Villegas Giraldo

Literariedad - Apuntes de PeatĂłn El arte es de los solitarios
 Gahvir Fahiaci Si bien el arte no arrastra al artista a una posible marginaciĂłn, Ă©ste sĂ­ termina aislĂĄndose de lo que lo rodea para sumirse en su estado natural de contemplaciĂłn. Esto sucede por un lado porque lo que seduce al artista no estĂĄ… Continue lendo “Artistas y filĂłsofos, viajeros solitarios”, por Pablo AndrĂ©s Villegas Giraldo