“Uma pedagogia da solidão em Nietzsche” – Fabiano de Lemos BRITTO

Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 26, n. 51, p. 251-262, jan./jun. 2012. Resumo: O artigo pretende investigar de que forma a relação entre o cosmopolitismo, tal como foi elaborado como tarefa ética por Kant e os herdeiros da Aufklärung, e a ideia de cultura e educação (Bildung) foi redimensionada e modificada nos textos de Nietzsche,… Continue lendo “Uma pedagogia da solidão em Nietzsche” – Fabiano de Lemos BRITTO

“A Maioridade de poucos e a Menoridade de muitos: Esclarecimento, Emancipação e Pessimismo Antropológico em Kant” – Rodrigo MENEZES

Introdução O célebre texto de Immanuel Kant (1724-1804) Resposta à questão: o que é o Esclarecimento?, publicado na revista Berlinischen Monatsschrift em 1784, fora motivado pela publicação prévia, na mesma revista, de um artigo cujo (Johann Friedrich Zöllner, um pastor berlinense) condenava o casamento civil em favor do religioso, polemizando contra a confusão geral que,… Continue lendo “A Maioridade de poucos e a Menoridade de muitos: Esclarecimento, Emancipação e Pessimismo Antropológico em Kant” – Rodrigo MENEZES

“Progresso e agonia: a concepção de história em Kant e Cioran” – Rossano PECORARO

In: MENEZES, Edmilson; DONATELLI, Marisa (orgs.), Modernidade e a ideia de história. Ilhéus: EDITUS (Editura da Universidade Estadual de Santa Cruz), 2003, pp. 86-105. [PDF] O constante progresso para o melhor, o desenho oculto, mas racional, da natureza,  o fio condutor a priori na história do mundo (Weltgeschichte), a fundação da afirmação relativa ao progresso… Continue lendo “Progresso e agonia: a concepção de história em Kant e Cioran” – Rossano PECORARO