Filosofia da Animalidade, Vitalismo e Mortalismo, Cioran na Argentina e o “Nada Sulamericano”: em diálogo com Gustavo Romero (Argentina)

A terceira live tertúlia de 2021, realizada em 28 de maio e transmitida no YouTube, contou com a presença de Gustavo Romero, filósofo e professor da Universidad de Buenos Aires (UBA) https://www.youtube.com/watch?v=l4vjoZiGGbI&t=5411s Além dos comentários contextuais e metateóricos acerca da recepção da obra de Cioran na Argentina, dentro e fora da Academia, Gustavo teceu importantes… Continue lendo Filosofia da Animalidade, Vitalismo e Mortalismo, Cioran na Argentina e o “Nada Sulamericano”: em diálogo com Gustavo Romero (Argentina)

“O Último dos Delicados”: Borges por Cioran

Carta a Fernando SavaterParis, 10 de dezembro de 1976 Caro amigo, Em novembro, na sua passagem por Paris, você me pedira para colaborar num volume de homenagem a Borges. Minha primeira reação foi negativa; a segunda… também. Para que festejá-lo quando as próprias universidades o fazem? O azar de ser reconhecido se abateu sobre ele.… Continue lendo “O Último dos Delicados”: Borges por Cioran

Cioran e o “Nada sulamericano”, a fascinação do Tango e a Filosofia como desfascinação: Live Tertúlia com Gustavo ROMERO (Argentina)

Cioran manteve estreitas ligações intelectuais e afetivas com a Argentina, entre outros países nas periferias da Europa, de onde ele nunca saiu (diferentemente de Camus e outros). Fez amizade com Ernesto Sabato, que o visitava em Paris, e que dedicaria um capítulo em sua autobiografia, Antes do Fim, à memória do amigo romeno. No seu… Continue lendo Cioran e o “Nada sulamericano”, a fascinação do Tango e a Filosofia como desfascinação: Live Tertúlia com Gustavo ROMERO (Argentina)

“Los enigmas” – Jorge Luis BORGES

Yo que soy el que ahora está cantandoSeré mañana el misterioso, el muerto,el morador de un mágico y desiertoorbe sin antes ni después ni cuándo.Así afirma la mística. Me creoindigno del Infierno o de la Gloria,pero nada predigo. Nuestra historiacambia como las formas de Proteo.¿Qué errante laberinto, qué blancuraciega de resplandor será mi suerte,Cuando me… Continue lendo “Los enigmas” – Jorge Luis BORGES

“Ela não era daqui…” – Susana Soca por E.M. Cioran

Em Exercícios de admiração: ensaios e perfis (1986), seu penúltimo livro, um dos perfis literários é o de uma mulher inominada, a quem Cioran alude misteriosamente: “Ela não era daqui…” Quem era ela? Trata-se de Susana Soca (1906–1959), escritora, editora e promotora cultural (mecenas), uma importante intelectual uruguaia que viveu muito tempo na Europa, notadamente… Continue lendo “Ela não era daqui…” – Susana Soca por E.M. Cioran

“El suicida” (Jorge Luis Borges)

No quedará en la noche una estrella. No quedará la noche Moriré y conmigo la suma Del intolerable universo. Borraré las pirámides, las medallas, Los continentes y las caras. Borraré la acumulación del pasado. Haré polvo la historia, polvo el polvo. Estoy mirando el último poniente. Oigo el último pájaro. Lego la nada a nadie… Continue lendo “El suicida” (Jorge Luis Borges)

“Há poetas gnósticos?” (Claudio Willer)

Revista Terceira Margem - Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura da UFRJ, vol. 19, no. 31, 2015 Resumo: O presente ensaio retoma o que já escrevi sobre gnosticismo e poesia, e sobre poetas gnósticos. Examina o trânsito entre doutrinas aparentemente opostas, a gnose pessimista e aquela otimista do Corpus Hermeticum. Reconhece que há mais poetas gnósticos;… Continue lendo “Há poetas gnósticos?” (Claudio Willer)

“Despre tango, după o călătorie la Buenos Aires” (Ciprian Vălcan)

OBSERVATOR CULTURAL, 17/05/2019 Pe cînd aveam 15-16 ani, citeam tot ce găseam: istorici greci, romani și bizantini, romancieri sud-americani, poeți persani, filozofi germani, francezi și englezi, sociologi, antropologi, psihologi, istorici ai religiilor, dar și eseurile lui Cioran traduse de Modest Morariu, diverse istorii ale artei sau romanele lui Dostoievski. Înghițeam de toate cu entuziasm, frecventam… Continue lendo “Despre tango, după o călătorie la Buenos Aires” (Ciprian Vălcan)

“A liberdade da marionete” – John GRAY

Nos primeiros séculos de nossa era, os gnósticos se opunham aos cristãos. Foram aniquilados, mas podemos imaginar sua possível vitória.Jorge Luis Borges, "Uma defesa de Basilides, o Falso" Um fantoche pode parecer a própria encarnação da falta de liberdade. Seja movido por uma mão oculta ou puxado por cordéis, não tem vontade própria. Seus movimentos… Continue lendo “A liberdade da marionete” – John GRAY

“El Cuaderno de Talamanca, de E.M. Cioran” (Luis Antonio de Villena)

El Cultural, 14/11/2002 Lo extraño será saber por qué este Cuaderno de Talamanca se quedó fuera de los Cuadernos que Cioran iba escribiendo a lo largo de su vida, y cuyo conjunto de anotaciones no difiere demasiado (salvo quizá por ser más espontáneo) del total de la obra cioranesca, que propende al fragmento o al texto breve aunque apretado,… Continue lendo “El Cuaderno de Talamanca, de E.M. Cioran” (Luis Antonio de Villena)