“«Dialética da indolência»: heresia e idiotismo contra a tirania da positividade tóxica” – Rodrigo Menezes

Quis suprimir em mim as razões que os homens invocam para existir e para agir. Quis tornar-me indizivelmente normal – e eis-me aqui, no embrutecimento, no mesmo plano que os idiotas e tão vazio como eles.Breviário de decomposição, p. 62 Ser mais inutilizável que um santo...Silogismos da amargura, p. 75 Cioran e Byung-Chul Han coincidem… Continue lendo “«Dialética da indolência»: heresia e idiotismo contra a tirania da positividade tóxica” – Rodrigo Menezes

“Sociedade da intimidade” – Byung-Chul HAN

O século XVIII é caracterizado como theatrum mundi, no qual o espaço público é equiparado a um palco. A distância cênica impede o contato imediato entre corpos e almas. O teatral é contraposto ao táctil, pois através de formas e sinais rituais comunica-se aquilo que pesa sobre a alma. Na Modernidade, renuncia-se cada vez mais… Continue lendo “Sociedade da intimidade” – Byung-Chul HAN

Idiotismo – Byung-Chul HAN

Em seu curso de 1980 sobre Espinosa, Deleuze observa o seguinte: Literalmente, eu diria que se fazem de idiotas. Fazer-se de idiota. Fazer-se de idiota será sempre uma função da filosofia.[1] Desde o início, a filosofia está intimamente ligada ao idiotismo. Todo filósofo que produz um novo idioma, uma nova linguagem, um novo pensamento, terá… Continue lendo Idiotismo – Byung-Chul HAN

“Carl Schmitt e a política da violência: amigo e inimigo” – Byung-Chul HAN

Segundo Carl Schmitt, a essência da política é a distinção entre amigo e inimigo. O pensar político e o instinto político nada mais significam do que a “capacidade de distinguir entre amigo e inimigo”. “Amigo/inimigo” não é um código binário usual que diferencia o sistema político de outros sistemas, pois o político não é um… Continue lendo “Carl Schmitt e a política da violência: amigo e inimigo” – Byung-Chul HAN

An Unheard-of Reflection On/Against The Image, by E.M. CIORAN

An enigmatic text, mostly unheard-of by even the most knowledgeable experts in the matter of Cioran, is among the selected writings that compose Contra la Historia [Against History], a collection of aphorisms and essays edited by Esther Seligson, with the purpose of diffusing Cioran's writings in the Spanish-speaking world when his books were just starting… Continue lendo An Unheard-of Reflection On/Against The Image, by E.M. CIORAN

“Cioran e o Romantismo: espírito, pensamento, expressão” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

RESUMO: Trata-se de um exercício hermenêutico em torno da obra e do pensamento de Emil Cioran (1911-1995), no sentido de focalizar o romantismo latente ou manifesto deste pensador romeno consagrado por seus livros franceses: sua herança romântica, o fundus animæ romântico do seu pensamento existencial. Cioran, pensador – e artista – romântico: o que isso… Continue lendo “Cioran e o Romantismo: espírito, pensamento, expressão” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Por que a Ásia está melhor que a Europa na pandemia? O segredo está no civismo” (Byung-Chul Han)

A segunda onda do coronavírus é mais benigna no continente asiático que no europeu. A explicação, argumenta o filósofo Byung-Chul Han, está na responsabilidade dos cidadãos - EL PAÍS, 30 de outubro 2020 Ao ser perguntado sobre como o Japão conseguiu combater a pandemia com tanto sucesso em comparação com o Ocidente, o ministro japonês da… Continue lendo “Por que a Ásia está melhor que a Europa na pandemia? O segredo está no civismo” (Byung-Chul Han)

Manuais de anti-ajuda: Byung-Chul Han & Emil Cioran, críticos da positividade tóxica

Se, na Idade Teológica, ser humano significava adorar a Deus (Jesus), se ser virtuoso significava ser um cristão de fidelidade a toda prova (um santo) e ser mau significava ser herege (uma feiticeira), na Idade da Razão ser verdadeiramente humano significa adorar a Ciência (a Tecnologia, o Progresso), ser virtuoso significa gozar boa saúde (ser… Continue lendo Manuais de anti-ajuda: Byung-Chul Han & Emil Cioran, críticos da positividade tóxica

“Happy” – Danny Elfman

The anthem for the next decade of "digital natives". This is so Black Mirror" (the future is bleak).Danny Elfman should develop educational videogames and use his own music as soundtrack. https://www.youtube.com/watch?time_continue=204&v=jjUjrE19eyw&feature=emb_title I’m so happy— Happy!I’m so happy— Happy!I’m so happy— Happy! Everything is crumbling (crumbling,crumbling)Everything is crumbling (crumbling,crumbling)Everything is crumbling (crumbling,crumbling) Happy! – Happy! –… Continue lendo “Happy” – Danny Elfman

Lucidez, “Traumaturgia” & Poética do Fracasso: Cioran, anti-Koons

"Se eu leio um livro e ele torna o meu corpo tão frio que fogo nenhum poderia esquentá-lo, sei que isso é poesia", escreveu Emily Dickinson, a poeta predileta de Cioran. O autoproclamado "Parasita dos Poetas", por sua vez, escreveu que "um livro deve cutucar as feridas", "um livro ser um perigo". O que é… Continue lendo Lucidez, “Traumaturgia” & Poética do Fracasso: Cioran, anti-Koons