“A recusa da salvação” – Albert CAMUS

Se o revoltado romântico exalta o indivíduo e o mal, não toma por isso mesmo o partido dos homens, mas apenas o próprio partido. O dandismo é sempre e em qualquer de suas formas um dandismo em relação a Deus. Na qualidade de criatura, o indivíduo só pode opor-se ao criador. Ele tem necessidade de… Continue lendo “A recusa da salvação” – Albert CAMUS

“A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

Mas ainda é a hora dos homens de letras. O romantismo, com sua revolta luciferina, só servirá realmente às aventuras da imaginação. Como Sade, ele se separará da revolta da antiguidade pela preferência dada ao mal e ao indivíduo. Ao ressaltar seus poderes de desafio e de recusa, a revolta nesse estágio esquece seu conteúdo… Continue lendo “A revolta dos dândis” – Albert CAMUS

“A revolta metafísica” – Albert CAMUS

A revolta metafísica é o movimento pelo qual um homem se insurge contra a sua condição e contra a criação. Ela é metafísica porque contesta os fins do homem e da criação. O escravo protesta contra tal condição no interior de seu estado de escravidão; o revoltado metafísico, contra sua condição na qualidade de homem.… Continue lendo “A revolta metafísica” – Albert CAMUS

“O absurdo e o assassinato” – Albert CAMUS

Há crimes de paixão e crimes de lógica. O código penal distingue um do outro, bastante comodamente, pela premeditação. Estamos na época da premeditação e do crime perfeito. Nossos criminosos não são mais aquelas crianças desarmadas que invocavam a desculpa do amor. São, ao contrário, adultos, e seu álibi é irrefutável: a filosofia pode servir… Continue lendo “O absurdo e o assassinato” – Albert CAMUS

“Lev Shestov: philosopher of the sleepless night” – Matthew BEAUMONT

Staying woke and staying awake Stay woke! What does it mean, politically speaking, to resist the temptation to sleep? To be awake? And to remain awake? The word ‘woke’, used in its colloquial sense as an adjective to signify ‘alert to racial or social discrimination’, was first included in the Oxford English Dictionary in 2017.… Continue lendo “Lev Shestov: philosopher of the sleepless night” – Matthew BEAUMONT

“The Loner’s Path: Philosophy for Non-Conformists” | Einzelgänger

https://www.youtube.com/watch?v=rycIyC_lc-U The path of nonconformity is alluring to those who don’t seek to follow the herd known as a society. Instead, they want to make unique individual choices in life, disregarding other people’s opinions and defying society’s norms. And in doing so, they follow their inner compass, their own definitions of right and wrong, and… Continue lendo “The Loner’s Path: Philosophy for Non-Conformists” | Einzelgänger

“Restos: Camus, Arendt, Teoria Crítica, Rawls” – Susan NEIMAN

Em um tributo ao rei Afonso, Hans Blumenberg escreveu que a era moderna começou com um ato de teodicéia (Blumenberg 2, 307). Será que ela termina com a percepção de que qualquer ato desse tipo é inútil? A reflexão política e histórica sobre casos específicos de mal e a esperança de uma resistência específica que… Continue lendo “Restos: Camus, Arendt, Teoria Crítica, Rawls” – Susan NEIMAN

“O absurdo e o suicídio” – CAMUS

Só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena ser vivida é responder à pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; é preciso primeiro responder. E se… Continue lendo “O absurdo e o suicídio” – CAMUS

“Camus: entre o sim e o não a Nietzsche” – Marcelo ALVES

Dissertação de mestrado em Literatura. Área de concentração em Teoria Literária. Curso de Pós-Graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina, 1998. RESUMO: A explicitação da leitura que Camus faz de Nietzsche é o fio condutor para a abordagem critica de três elementos marcantes na produção camusiana: o pessimismo, a revolta e a adesão… Continue lendo “Camus: entre o sim e o não a Nietzsche” – Marcelo ALVES

“Libre comme un mort-né : Emil Cioran” – Nancy HUSTON

L’être humain qui allait se transformer petit à petit en Emil Cioran démarra lorsqu’un spermatozoïde de pope orthodoxe rencontra un ovule gisant dans les tubes fallopiens d’une femme mélancolique. Cinquante et un ans plus tard, dans une lettre à son frère, c’est de cela que se souviendra le plus célèbre pessimiste d’Europe : “Je pense souvent… Continue lendo “Libre comme un mort-né : Emil Cioran” – Nancy HUSTON