« Philosophie – Badiner avec le nihilisme » (Louis Cornellier)

Le Devoir, 22 octobre 2005 Roland Jaccard est nihiliste et fier de l'être. Rien, pour lui, ne vaut vraiment, sinon la compagnie de ses frères et soeurs en catastrophe qui se complaisent dans le désastre. On ne se surprendra donc pas qu'il ait été un ami de Cioran et qu'il souhaite lui rendre hommage en… Continue lendo « Philosophie – Badiner avec le nihilisme » (Louis Cornellier)

“Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” – Rodrigo MENEZES

Trata-se de contrapor e fazer dialogar duas filosofias, dois modo de pensar (o homem, a existência, a vida e a morte, o tempo) que têm muito em comum, mas cujas conclusões podem ser radicalmente divergentes: a filosofia trágica, afirmativa e aprobatória de Clément Rosset (tendo como corolário a alegria como "force majeure"), na linha de… Continue lendo “Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” – Rodrigo MENEZES

“À sombra de Cioran” (Roland Jaccard)

Um habita numa mansarda em Paris, perto da rua l'Odéon. O outro jaz nos calabouços egípcios. Um se debruça sobre a genealogia do fanatismo e observa: "Quando se recusa a admitir o caráter intercambiável das ideias, o sangue corre." O outro só vê salvação "à sombra de Cioran". Estamos no início dos anos 1950. Cioran,… Continue lendo “À sombra de Cioran” (Roland Jaccard)

“Metafísica do ping-pong” (Roland Jaccard)

SÓ EXISTEM DOIS críticos de cinema na França que sabem falar de filmes: Louis Skorecki e Patrick Besson. O primeiro, extra-terrestre por ser anti-diluviano, o segundo, profundo por ser jocoso. Os dois compreenderam que o grande segredo da arte é não se dar o trabalho (Homero, Montaigne, Hawks). É também a lição que retive de… Continue lendo “Metafísica do ping-pong” (Roland Jaccard)

Carta de Cioran a Roland Jaccard

Paris, 25 de novembro de 1978 Caro Senhor, O pensamento freudiano é fundamentalmente "anti-utópico", você diz. É em virtude da sua visão lúcida do futuro que Freud sempre me interessou. De resto, eu amiúde me pergunto como alguém tão clarividente assim pode ter elaborado uma terapêutica, como sobretudo ele pôde crer em qualquer forma de cura… Continue lendo Carta de Cioran a Roland Jaccard

Duas cervejas, um sanduíche e mil tiradas filósoficas: Clément Rosset por Roland Jaccard

Se a esperança é o pior dos males, se é derrisório pretender mudar a vida, o que resta então? Resposta de Clément Rosset: “Resta, contudo, uma última hipótese: a de uma satisfação total no seio do infinito mesmo, semelhante ao júbilo amoroso descrito por La Fontaine numa célebre fábula (“Seja tudo você mesmo, conte o… Continue lendo Duas cervejas, um sanduíche e mil tiradas filósoficas: Clément Rosset por Roland Jaccard