“Se eu fosse eu” – Clarice LISPECTOR

https://www.youtube.com/watch?v=ht9VcJcI20Q Quando eu não sei onde guardei um papel importante e a procura revela-se inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase "se eu fosse eu", que a procura do papel se torna secundária, e… Continue lendo “Se eu fosse eu” – Clarice LISPECTOR

“Esther Seligson” – Elena PONIATOWSKA

La Jornada, Mexico, 14 de febrero de 2010 "Tienes que poder." "No puedo." "Claro que puedes" – la voz se hace aún más tajante. "Esther, el 7 de julio es el cumpleaños de mi hijo." Al oír la palabra "hijo", Esther cambia radicalmente. (A ella se le murió su hijo Adrián, que voló de este mundo.) "Ah, entonces… Continue lendo “Esther Seligson” – Elena PONIATOWSKA

«La Voluttà del Disastro: Note Sciolte per Cioran». Intervista con Ricardo GIL SOEIRO

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI - Rivista Interculturale Bilingue, anno IX, febbraio 2019 «L’ESISTENZA, per Cioran, oscilla sempre in questa delicata tensione tra, da un lato, l’assumersi come tragedia incommensurabile e, dall’altro, l’essere messa in prospettiva come una lieve noia, come un tedio che deve essere sopportato…  Ad ogni modo, si tratta sempre (come nel caso di… Continue lendo «La Voluttà del Disastro: Note Sciolte per Cioran». Intervista con Ricardo GIL SOEIRO

Escritas do desastre e outras volúpias: entrevista com Ricardo Gil Soeiro, autor de “Notas Soltas para Cioran” (Labirinto, Portugal, 2019)

Ricardo Gil Soeiro é poeta e ensaísta. Doutorado em Estudos Literários pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde é investigador do Centro de Estudos Comparatistas, desenvolve pesquisa sobre literatura comparada, teoria da literatura e estudos pós-humanistas. Organizou e traduziu o volume As Artes do Sentido, de George Steiner (Relógio D’Água, 2017), traduziu Confissões… Continue lendo Escritas do desastre e outras volúpias: entrevista com Ricardo Gil Soeiro, autor de “Notas Soltas para Cioran” (Labirinto, Portugal, 2019)