“A inobservância do real” – Clément ROSSET

Numa cena de um filme de Buster Keaton, As três idades, vê-se um personagem singular, meio astrólogo meio meteorologista, mergulhado em cálculos complicados destinados a determinar o tempo que faz do lado de fora. Havendo-se decidido por um “bom fixo”, grava a informação numa tabuleta — presume-se que a cena tem por cenário a Roma… Continue lendo “A inobservância do real” – Clément ROSSET

O Princípio de Crueldade (post-scriptum) – Clément ROSSET

A crueldade da realidade é ilustrada de maneira particularmente espetacular e significativa na crueldade do amor — tema conhecido e já sobejamente analisado, é verdade, mas é o privilégio das questões profundas permitir sempre uma análise parcialmente renovada, como é o privilégio de toda grande obra de arte, musical por exemplo, oferecer sempre matéria para… Continue lendo O Princípio de Crueldade (post-scriptum) – Clément ROSSET

“O princípio de incerteza” – Clément ROSSET

“A necessidade de uma fé forte não é prova de fé forte, é, isso sim, o contrário. Se alguém tem essa fé, pode permitir-se o luxo do ceticismo.”Nietzsche, O Crepúsculo dos ídolos Montaigne sugere, em uma passagem da Apologia de Raimond Sebond, uma definição da verdade filosófica tão desconcertante quanto pertinente: “Duvido que Epicuro, Platão… Continue lendo “O princípio de incerteza” – Clément ROSSET

“A alegria e o trágico em Nietzsche” (Roberto Machado)

Uma conferência do filósofo brasileiro que poderia ter sido de Clément Rosset: os insights, certa intenção "terrorista" (trágica, afirmação do acaso), a afirmação incondicional e jubilatória da existência em sua integralidade, incluindo-se os seus aspectos mais desgraçados e miseráveis, a alegria como o sentimento superior da existência tragicamente considerada e experimentada. La joie tragique, para… Continue lendo “A alegria e o trágico em Nietzsche” (Roberto Machado)

“O princípio de realidade suficiente” (Clément Rosset)

Toda filosofia é uma teoria do real, isto é, conforme a etimologia grega da palavra teoria, o resultado de um olhar sobre as coisas: olhar ao mesmo tempo criativo e interpretativo que pretende, à sua maneira e segundo seus meios próprios, dar conta de um objeto ou de um conjunto de objetos dados. Este compte-rendu… Continue lendo “O princípio de realidade suficiente” (Clément Rosset)

“A alegria, a graça e a felicidade segundo Clément Rosset” (José Thomaz Brum)

Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, Santa Maria, v.11, n.1, p.227-230. Originalmente publicado sob o título La joie, la grâce et le bonheur selon Clément Rosset no periódico francês Alkemie: Revue semestrielle de littérature et philosophie, n. 11 (Dossiê temático “Le Bonheur”), junho de 2013, p. 54-56. Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar as concepções… Continue lendo “A alegria, a graça e a felicidade segundo Clément Rosset” (José Thomaz Brum)

É da “essência” da Música ser alegre ou triste? E outras questões ociosas

https://www.youtube.com/watch?v=DhCQPHm8ROY Duas controvérsias, duas confrontações filosóficas, ambas envolvendo Clément Rosset, a primeira com Georges Bataille acerca da universalidade ou não-universalidade do saber trágico, conforme fundado (ou não) numa consciência que Rosset supõe universal e "naturalmente" trágica, a despeito do concurso de toda ilusão, teológica ou ideológica, e a segunda com Cioran acerca da essência ou… Continue lendo É da “essência” da Música ser alegre ou triste? E outras questões ociosas

E.M. Cioran & Clément Rosset: filosofias paralelas

https://www.youtube.com/watch?v=kSWqqrmEP_8 https://www.youtube.com/watch?v=sGAkLhTpTGM

Cioran & Parmênides – Clément ROSSET

A Deusa de Parmênides faz do homem faz do homem um condenado à realidade, e um condenado inapelável, pois não existe nenhum tribunal habilitado para conhecer suas petições ou admoestações. O que existe é, de um lado, irrefutável em si e, de outro, refuta tudo o que seria outro: não há nenhum halo de alteridade… Continue lendo Cioran & Parmênides – Clément ROSSET

Sobre Intuições, Pessimismos e Rótulos: a propósito de Bergson & Cioran

Schopenhauer afirmou que "ler significa pensar com uma cabeça alheia, em vez de pensar com a própria." No fundo, pensa o filósofo alemão, "apenas os pensamentos próprios são verdadeiros e têm vida, pois somente eles são entendidos de modo autêntico e completo. [...] Quem pensa por si mesmo só chega a conhecer as autoridades que… Continue lendo Sobre Intuições, Pessimismos e Rótulos: a propósito de Bergson & Cioran