“O Esteta Hagiógrafo” (E.M. Cioran)

Não é um sinal de bênção haver estado obcecado pela existência dos santos. Mistura-se a esta obsessão um gosto pelas enfermidades e uma avidez de depravações. Só nos inquietamos pela santidade se tivermos sido decepcionados pelos paradoxos terrestres; buscam-se então outros, de teor mais estranho, impregnados de perfumes e de verdades desconhecidos; confia-se em loucuras… Continue lendo “O Esteta Hagiógrafo” (E.M. Cioran)

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 4] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

A ideia do suicídio e a escritura filosófica como auto-análise Perguntam-me: “Você está trabalhando? – Sim, num artigo sobre o suicídio.” – Minha resposta tira das pessoas a vontade de saber mais.[1] Trata-se, por fim, do último desafio da lucidez: a permanência e a perseverança na vida quando esta é entendida como um “estado de… Continue lendo Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 4] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Realidad y decepción en Cioran” (José Ignácio Nájera)

CUANDO ME PLANTÉE sobre qué aspecto tratar de Cioran para mi intervención, me encontré en una situación curiosa y más bien paralizante. Son tantas las cosas y los asuntos en los que se ha entretenido Cioran que era difícil decidir. De hecho, el ya amplio panorama de artículos sobre él así lo demuestra —otro asunto… Continue lendo “Realidad y decepción en Cioran” (José Ignácio Nájera)