“EspĂ­rito de porco” (Bernardo Carvalho)

Folha de S. Paulo, "Ilustrada", 10 de fevereiro de 2001 Admirar E. M. Cioran (1911-95), autor de "ExercĂ­cios de Admiração", nĂŁo Ă© uma tarefa simples. Porque Ă© o lado vil e demasiado humano que o pensador de origem romena, que se mudou para a França em 1937, destaca, nĂŁo sĂł nos autores sobre os quais… Continue lendo “EspĂ­rito de porco” (Bernardo Carvalho)

Publicidade

Morre Emil Cioran, o arauto do pessimismo

Folha de S. Paulo, caderno "Ilustrada", 21 de junho de 1995 DA REDAÇÃO; COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS O filĂłsofo romeno, autor de 'Silogismos da Amargura' e 'BreviĂĄrio de Decomposição', estava com 84 anos O filĂłsofo romeno Emil Cioran morreu ontem aos 84 anos em um hospital de Paris, segundo informou sua editora francesa, a Gallimard. O filĂłsofo… Continue lendo Morre Emil Cioran, o arauto do pessimismo

“Os terrores e delĂ­cias de uma alma demasiado musical: O Livro das IlusĂ”es, de Emil Cioran” – Rodrigo MENEZES

O Livro das IlusĂ”es deixa transparecer uma experiĂȘncia densa e dolorosa, temperada por elĂŁs lĂ­ricos e transes mĂ­sticos. Um caminhar fragmentĂĄrio e extĂĄtico revela um jovem leitor de Nietzsche fascinado ora por BarrĂšs, ora por Gide. JosĂ© Thomaz BRUM Se leio tanto, Ă© na esperança de um dia encontrar uma solidĂŁo maior do que a… Continue lendo “Os terrores e delĂ­cias de uma alma demasiado musical: O Livro das IlusĂ”es, de Emil Cioran” – Rodrigo MENEZES

“A frivolidade de um apĂłstolo da desilusĂŁo”- Marcelo COELHO

Caderno Mais!, Folha de SĂŁo Paulo, 26 de novembro de 2000 Cioran une petulĂąncia e melancolia nos textos de "ExercĂ­cios de admiração", que analisa autores como ValĂ©ry e Beckett. Em qualquer tempo e em qualquer lugar hĂĄ motivos de sobra para o pessimismo. Existem Ă©pocas, entretanto, em que essa atitude se torna especialmente charmosa e… Continue lendo “A frivolidade de um apĂłstolo da desilusĂŁo”- Marcelo COELHO

“TraduçÔes de Cioran sĂŁo relançadas no Brasil” – Alexandre Soares CARNEIRO

Uniletras, Ponta Grossa, v. 33, n. 1, p. 191-196, jan./jun. 2011 | PDF “Gosto de ler como lĂȘ um porteiro de edifĂ­cio: identificar-me ao autor e ao livro. Qualquer outra atitude me faz pensar no dissecador de cadĂĄveres.” A frase de Emil Cioran (Rasinari, RomĂȘnia, 1911 – Paris, França, 1995) sugere, senĂŁo um modelo de… Continue lendo “TraduçÔes de Cioran sĂŁo relançadas no Brasil” – Alexandre Soares CARNEIRO

Cioran, por José Thomaz Brum

Do website da editora ROCCO Emil Cioran (1911-1995), nascido em Rasinari, uma aldeia da TransilvĂąnia (RomĂȘnia), filho de um sacerdote ortodoxo, escreveu cinco livros em sua lĂ­ngua natal (o romeno). Entre eles Pe culmile desperĂŁrii (Nos cumes do desespero) de 1934, seu primeiro ensaio, que recebeu o PrĂȘmio dos Jovens Escritores Romenos. De sua obra… Continue lendo Cioran, por JosĂ© Thomaz Brum