“É preciso erradicar a tendência em acreditar que há línguas melhores que outras” – Barbara CASSIN

Revista IHU On-line, 29 de junho de 2017 O conceito de globish surge em meu livro Los intraducibles [Os intraduzíveis]. Escrevi isto porque comecei a perceber na Europa o surgimento de dois inimigos: por um lado precisamente o globish, ou seja, a homogeneização através de uma não língua, melhor dito, de uma língua de ninguém, que se pode perceber como… Continue lendo “É preciso erradicar a tendência em acreditar que há línguas melhores que outras” – Barbara CASSIN

Despre lucruri: sobre “coisas” e “lucros”

"Coisas", em romeno, se diz lucruri (pl.), de lucru (sing.), "coisa": Tot ceea ce există (în afară de ființe) și care este conceput ca o unitate de sine stătătoare; obiect. Lucru în sine = noțiune a filozofiei lui Kant desemnând realitatea obiectivă, existentă independent de cunoașterea noastră, care, deși percepută sub formă de reprezentare, nu poate… Continue lendo Despre lucruri: sobre “coisas” e “lucros”

“Como a política é uma questão de logos” [2/2] – Barbara CASSIN

Na República de Platão, em que política e ética se imbricam, submetidas à mesma idéia do Bem, a homonoia determinará uma das quatro virtudes características da alma do indivíduo bem como dessa alma ampliada que é a cidade: ela se definirá como sentido da hierarquia (IV, 432 a) e, com a justiça, virtude da estrutura,… Continue lendo “Como a política é uma questão de logos” [2/2] – Barbara CASSIN

“Como a política é uma questão de logos” [1/2] – Barbara CASSIN

O paradoxo começa a se explicar quando aceitamos regredir, para aquém de nossas antíteses modernas (democracia/conservadorismo, revolução/reação), à própria constituição da polis que marca o "milagre grego" do século V. Polis, logos, sofística: o caráter eminentemente político da sofística é, antes de tudo, um questão de logos, termo em que o grego liga, como se… Continue lendo “Como a política é uma questão de logos” [1/2] – Barbara CASSIN

“Tudo mais é literatura” (Barbara Cassin)

Atualmente, só se pode ser incompleto e alusivo; no melhor dos casos, programático. Com o triunfo da retórica sofística, entramos, de fato, em literatura. Como escrever fora dos dois grandes gêneros patenteados - quando não se é nem poeta nem filósofo? Uma inventividade exuberante e lábil se desdobra em mais de dois séculos, nessa Antigüidade… Continue lendo “Tudo mais é literatura” (Barbara Cassin)