Holocausto: como não repetir os erros do passado | DW

https://www.youtube.com/watch?v=kfVGjvQbeX4 Cultura da memória: como aprender com a história para não repetir os erros do passado? O Camarote.21 desta semana fala sobre como os alemães lidam com a culpa do nazismo; como netos e bisnetos de sobreviventes do Holocausto se engajam para que o passado não seja esquecido; e como um projeto na África do… Continue lendo Holocausto: como não repetir os erros do passado | DW

Publicidade

“Hannah Arendt: a capacidade de julgar” – José Alves de Freitas Neto

A banalidade do mal é chave fundamental no pensamento de Hannah Arendt e se desdobra nas questões que enfrentamos no século XXI. A partir do célebre julgamento de um burocrata nazista, Arendt sugeriu formulações incômodas sobre a capacidade de julgar, de discernir, de pensar. A banalidade do mal é, de certa forma, uma advertência aos… Continue lendo “Hannah Arendt: a capacidade de julgar” – José Alves de Freitas Neto

“Perdas: o fim das teodicéias modernas” – Susan NEIMAN

Muitas vezes alega-se que Auschwitz acabou com as crenças anteriores de que o progresso era inevitável, mas tais alegações pressupõem uma ingenuidade que poucos textos conseguem suportar. Vimos o ceticismo quanto à capacidade da humanidade de melhorar permear a obra de pensadores iluministas tão profundamente opostos entre si quanto Voltaire e Rousseau. Em 1794, ao… Continue lendo “Perdas: o fim das teodicéias modernas” – Susan NEIMAN

“Restos: Camus, Arendt, Teoria Crítica, Rawls” – Susan NEIMAN

Em um tributo ao rei Afonso, Hans Blumenberg escreveu que a era moderna começou com um ato de teodicéia (Blumenberg 2, 307). Será que ela termina com a percepção de que qualquer ato desse tipo é inútil? A reflexão política e histórica sobre casos específicos de mal e a esperança de uma resistência específica que… Continue lendo “Restos: Camus, Arendt, Teoria Crítica, Rawls” – Susan NEIMAN

“O Mal no Pensamento Moderno (introdução)” – Susan NEIMAN

Os aspectos das coisas que são mais importantes para nós ficam escondidos devido a sua simplicidade e familiaridade. (É impossível perceber qualquer coisa — porque ela está sempre diante dos olhos.) As verdadeiras bases de sua investigação não surpreendem em nada. — E isso significa: deixamos de ser afetados por aquilo que, uma vez visto,… Continue lendo “O Mal no Pensamento Moderno (introdução)” – Susan NEIMAN