“ProvidĂȘncia pessoal” – Friedrich NIETZSCHE

ProvidĂȘncia pessoal. — Existe, na vida, um certo ponto alto: ao atingi-lo corremos novamente, com toda a nossa liberdade, e por mais que tenhamos negado ao belo caos da existĂȘncia toda razĂŁo boa e solĂ­cita, o grande perigo da servidĂŁo espiritual, e temos ainda a nossa mais dura prova a prestar. Pois Ă© entĂŁo que… Continue lendo “ProvidĂȘncia pessoal” – Friedrich NIETZSCHE

“O princĂ­pio de incerteza” – ClĂ©ment ROSSET

“A necessidade de uma fĂ© forte nĂŁo Ă© prova de fĂ© forte, Ă©, isso sim, o contrĂĄrio. Se alguĂ©m tem essa fĂ©, pode permitir-se o luxo do ceticismo.”Nietzsche, O CrepĂșsculo dos Ă­dolos Montaigne sugere, em uma passagem da Apologia de Raimond Sebond, uma definição da verdade filosĂłfica tĂŁo desconcertante quanto pertinente: “Duvido que Epicuro, PlatĂŁo… Continue lendo “O princĂ­pio de incerteza” – ClĂ©ment ROSSET

“O reverso de um jardim” (E.M. Cioran)

Quando o problema da felicidade suplanta o do conhecimento, a filosofia abandona o seu domĂ­nio prĂłprio para se consagrar a uma actividade suspeita: interessa-se pelo homem... Atraem-na questĂ”es que atĂ© entĂŁo nĂŁo se dignara abordar, e tenta responder-lhes com o ar mais sĂ©rio deste mundo. «Como nĂŁo sofrer?» -- Ă© uma das questĂ”es que a… Continue lendo “O reverso de um jardim” (E.M. Cioran)

“O princĂ­pio de crueldade”(ClĂ©ment Rosset)

"Hipocondria melancĂłlica", observa GĂ©rard de Nerval em um diĂĄrio. "É um mal terrĂ­vel: faz ver as coisas tais como sĂŁo." Por "crueldade" do real entendo em primeiro lugar, Ă© claro, a natureza intrinsecamente dolorosa e trĂĄgica da realidade. NĂŁo me estenderei sobre este primeiro sentido, mais ou menos conhecido de todos, e sobre o qual… Continue lendo “O princĂ­pio de crueldade”(ClĂ©ment Rosset)

“As duas verdades” (E.M. Cioran)

"É hora de encerramento nos jardins do Ocidente." CYRIL CONNOLLY SEGUNDO UMA LENDA de inspiração gnĂłstica, travou-se no cĂ©u uma luta entre os anjos, em que os partidĂĄrios de Miguel derrotaram os do DragĂŁo. Os anjos que, irresolutos, contentaram-se em observar, foram condenados aqui abaixo afim de fazerem a escolha Ă  qual nĂŁo se puderam… Continue lendo “As duas verdades” (E.M. Cioran)

“Tranquilícese, todo está mal” (Luis Diego Fernandez)

CLARÍN, 25/01/2011 Tengo derecho considerarme como el primer filĂłsofo trĂĄgico, es decir, el enemigo mortal y el antĂ­poda de un filĂłsofo pesimista”, lo dice Nietzsche en Ecce Homo , y ClĂ©ment Rosset lo cita al comienzo de La filosofĂ­a trĂĄgica , su primer libro, de 1960, recientemente editado en español. Esa relaciĂłn expulsante entre tragedia… Continue lendo “TranquilĂ­cese, todo estĂĄ mal” (Luis Diego Fernandez)