“Epicuro y algunos epicúreos” – Carlos García GUAL

Fundación Juan March, 12 de mayo de 2022 En la segunda conferencia del ciclo "La filosofía helenística. La búsqueda de la felicidad", el académico, traductor, ensayista y catedrático emérito de Filología Griega, Carlos García Gual, expone la figura del filósofo ateniense Epicuro –nacido en Samos en torno al 341 a. C.– y presenta las líneas… Continue lendo “Epicuro y algunos epicúreos” – Carlos García GUAL

The Cheaper Your Pleasures, The Richer You’ll Be: Minimalist Philosophy | EINZELGÄNGER

How can we be satisfied without cost? How can we be wealthy with only the bare minimum? Several philosophers of the past shed their light on questions like these. And, according to some, the cheaper your pleasures, the richer you'll be. This video explores different views on wealth, desire, and pleasure and how being ‘rich’… Continue lendo The Cheaper Your Pleasures, The Richer You’ll Be: Minimalist Philosophy | EINZELGÄNGER

“O tema da política no epicurismo: um raciocínio pautado pela práxis” – Thales Perente de BARROS

Revista Primordium, v.4 n.8 (2019) Resumo: A maioria das pessoas que têm ou tiveram algum contato com a filosofia enquanto disciplina provavelmente já ouviu falar dos jardins de Epicuro e também já ouviu falar que esse era um lugar de convívio entre os epicuristas. No entanto, pouco costuma ser abordado sobre a posição epicurista acerca… Continue lendo “O tema da política no epicurismo: um raciocínio pautado pela práxis” – Thales Perente de BARROS

“Providência pessoal” – Friedrich NIETZSCHE

Providência pessoal. — Existe, na vida, um certo ponto alto: ao atingi-lo corremos novamente, com toda a nossa liberdade, e por mais que tenhamos negado ao belo caos da existência toda razão boa e solícita, o grande perigo da servidão espiritual, e temos ainda a nossa mais dura prova a prestar. Pois é então que… Continue lendo “Providência pessoal” – Friedrich NIETZSCHE

“O princípio de incerteza” – Clément ROSSET

“A necessidade de uma fé forte não é prova de fé forte, é, isso sim, o contrário. Se alguém tem essa fé, pode permitir-se o luxo do ceticismo.”Nietzsche, O Crepúsculo dos ídolos Montaigne sugere, em uma passagem da Apologia de Raimond Sebond, uma definição da verdade filosófica tão desconcertante quanto pertinente: “Duvido que Epicuro, Platão… Continue lendo “O princípio de incerteza” – Clément ROSSET

“O reverso de um jardim” – CIORAN

Quando o problema da felicidade suplanta o do conhecimento, a filosofia abandona o seu domínio próprio para se consagrar a uma actividade suspeita: interessa-se pelo homem... Atraem-na questões que até então não se dignara abordar, e tenta responder-lhes com o ar mais sério deste mundo. «Como não sofrer?» — é uma das questões que a… Continue lendo “O reverso de um jardim” – CIORAN

“O princípio de crueldade” – Clément ROSSET

"Hipocondria melancólica", observa Gérard de Nerval em um diário. "É um mal terrível: faz ver as coisas tais como são." Por "crueldade" do real entendo em primeiro lugar, é claro, a natureza intrinsecamente dolorosa e trágica da realidade. Não me estenderei sobre este primeiro sentido, mais ou menos conhecido de todos, e sobre o qual… Continue lendo “O princípio de crueldade” – Clément ROSSET

“As duas verdades” – CIORAN

"É hora de encerramento nos jardins do Ocidente."CYRIL CONNOLLY SEGUNDO UMA LENDA de inspiração gnóstica, travou-se no céu uma luta entre os anjos, em que os partidários de Miguel derrotaram os do Dragão. Os anjos que, irresolutos, contentaram-se em observar, foram condenados aqui abaixo afim de fazerem a escolha à qual não se puderam resolver… Continue lendo “As duas verdades” – CIORAN

“Tranquilícese, todo está mal” – Luis Diego FERNANDEZ

CLARÍN, 25/01/2011 Tengo derecho considerarme como el primer filósofo trágico, es decir, el enemigo mortal y el antípoda de un filósofo pesimista”, lo dice Nietzsche en Ecce Homo , y Clément Rosset lo cita al comienzo de La filosofía trágica , su primer libro, de 1960, recientemente editado en español. Esa relación expulsante entre tragedia… Continue lendo “Tranquilícese, todo está mal” – Luis Diego FERNANDEZ