Filosofia da Animalidade, Vitalismo e Mortalismo, Cioran na Argentina e o “Nada Sulamericano”: em diĂĄlogo com Gustavo Romero (Argentina)

A terceira live tertĂșlia de 2021, realizada em 28 de maio e transmitida no YouTube, contou com a presença de Gustavo Romero, filĂłsofo e professor da Universidad de Buenos Aires (UBA) https://www.youtube.com/watch?v=l4vjoZiGGbI&t=5411s AlĂ©m dos comentĂĄrios contextuais e metateĂłricos acerca da recepção da obra de Cioran na Argentina, dentro e fora da Academia, Gustavo teceu importantes… Continue lendo Filosofia da Animalidade, Vitalismo e Mortalismo, Cioran na Argentina e o “Nada Sulamericano”: em diĂĄlogo com Gustavo Romero (Argentina)

Cioran e o “Nada sulamericano”, a fascinação do Tango e a Filosofia como desfascinação: Live TertĂșlia com Gustavo ROMERO (Argentina)

Cioran manteve estreitas ligaçÔes intelectuais e afetivas com a Argentina, entre outros paĂ­ses nas periferias da Europa, de onde ele nunca saiu (diferentemente de Camus e outros). Fez amizade com Ernesto Sabato, que o visitava em Paris, e que dedicaria um capĂ­tulo em sua autobiografia, Antes do Fim, Ă  memĂłria do amigo romeno. No seu… Continue lendo Cioran e o “Nada sulamericano”, a fascinação do Tango e a Filosofia como desfascinação: Live TertĂșlia com Gustavo ROMERO (Argentina)

“O PrincĂ­pio de Crueldade” – ClĂ©ment ROSSET

IntĂ©rprete do pensamento trĂĄgico, ClĂ©ment Rosset defende a idĂ©ia de que toda realidade Ă© cruel. Essa â€œĂ©tica da crueldade” se baseia em dois princĂ­pios que sĂŁo o objeto principal deste livro. O primeiro, o princĂ­pio de realidade suficiente: o real basta e dele nada escapa, posto que Ă© real. Cabe aos homens se contentar e… Continue lendo “O PrincĂ­pio de Crueldade” – ClĂ©ment ROSSET

“De inutensĂ­lios e dessantidades: a palavra poĂ©tica em Manoel de Barros e Cioran” – Rodrigo MENEZES

NinguĂ©m Ă© pai de um poema sem morrer.Manoel de Barros Se leio um livro e ele torna o meu corpo tĂŁo frio que nenhum fogo seria jamais capaz de me aquecer, eu sei que aquilo Ă© poesia. Se eu sinto, fisicamente, como se o topo de minha cabeça tivesse sido arrancado, eu sei que aquilo Ă© poesia.Emily Dickinson CIORAN NÃO TEVE a oportunidade de conhecer este gigante, e… Continue lendo “De inutensĂ­lios e dessantidades: a palavra poĂ©tica em Manoel de Barros e Cioran” – Rodrigo MENEZES

“Cioran, una tristeza inagotable” (MatĂ­as Moscardi)

ETERNA CADENCIA, 23/11/2017 "Cioran escribe la primera parte de su obra rumano, su lengua materna, y la Ășltima mitad, en la lengua en la que morirĂĄ: el francĂ©s. Su primer libro, que concibe a los 22 años, puede leerse como el diario de un insomne patolĂłgico". Hace poco le comentĂ© a una amiga que querĂ­a… Continue lendo “Cioran, una tristeza inagotable” (MatĂ­as Moscardi)

Relato de um encontro: E.M. Cioran, por Ernesto SĂĄbato

Sobre estes e outros temas conversei longamente com Cioran, em uma tarde de 1989. Anos atrĂĄs me chegaram notĂ­cias do desejo que ele tinha de me conhecer; insistĂȘncia que interpretei como mensagens crĂ­pticas, reiteradas em distintas oportunidades. Combinamos um encontro em sua casa da rua OdeĂłn, a poucos passos do meu hotel no Boulevard Saint-Germain.… Continue lendo Relato de um encontro: E.M. Cioran, por Ernesto SĂĄbato