“Ludwig Klages e o misticismo vitalista” – Paulo de CASTRO (1950)

Correio da ManhĂŁ, Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 1950 DIGRESSÃO INTRODUTÓRIA Foi Vico quem primeiro formulou no mundo moderno a teoria da morte das civilizaçÔes. De maneira brilhante e incoordenada como Ă© tĂŁo comum entre os pensadores napolitanos. Spengler mais tarde plagiou a teoria dando-lhe uma forma e sobretudo uma intenção diferente. A… Continue lendo “Ludwig Klages e o misticismo vitalista” – Paulo de CASTRO (1950)

Publicidade

“As vantagens da debilidade” – CIORAN

O indivĂ­duo que nĂŁo ultrapassa sua qualidade de belo exemplar, de modelo acabado, e cuja existĂȘncia confunde-se com seu destino vital, coloca-se fora do espĂ­rito. A masculinidade ideal – obstĂĄculo Ă  percepção das nuanças – comporta uma insensibilidade em relação ao sobrenatural cotidiano, de onde a arte extrai sua substĂąncia. Quanto mais natureza se Ă©,… Continue lendo “As vantagens da debilidade” – CIORAN

“O segundo Cioran e a campanha abolicionista da alma” – Rodrigo MENEZES

Uma das diferenças mais marcantes no pensamento de Cioran na passagem dos escritos romenos aos franceses, apĂłs a Segunda Guerra, Ă© a reação crĂ­tica, em nome da lucidez do espĂ­rito, Ă s ilusĂ”es das quais outrora fizera a apologia (ver O Livro das ilusĂ”es). "IlusĂŁo" se refere, antes de tudo, e fundamentalmente, Ă  ilusĂŁo de profundidade,… Continue lendo “O segundo Cioran e a campanha abolicionista da alma” – Rodrigo MENEZES

“AngĂșstia dialeticamente determinada no sentido de destino” – SĂžren Aabye KIERKEGAARD

Costuma-se geralmente dizer que o paganismo jaz no pecado, porĂ©m seria talvez mais justo afirmar que ele reside na angĂșstia. De modo geral, o paganismo Ă© sensualidade, porĂ©m uma sensualidade que possui certa relação com o espĂ­rito, sem que, contudo, o espĂ­rito no sentido mais profundo esteja posto como espĂ­rito. Mas essa possibilidade Ă© justamente… Continue lendo “AngĂșstia dialeticamente determinada no sentido de destino” – SĂžren Aabye KIERKEGAARD

“O veneno abstrato” – CIORAN

MESMO nossos males vagos, nossas inquietudes difusas, quando degeneram em  fisiologia, convĂ©m, por um processo inverso, reconduzi-los Ă s manobras da inteligĂȘncia. E se alçåssemos o tĂ©dio – percepção tautolĂłgica do mundo, tĂȘnue ondulação da duração – Ă  dignidade de uma elegia dedutiva, se oferecĂȘssemos a ele a tentação de uma prestigiosa esterilidade? Sem o recurso… Continue lendo “O veneno abstrato” – CIORAN

“A alegria da confusĂŁo total” – CIORAN

Alegremo-nos de que na confusĂŁo possamos alcançar a totalidade, de que possamos atualizar, em um instante, todos os planos espirituais e todas as divergĂȘncias. Os estados de admirĂĄvel confusĂŁo interna, que nĂŁo implicam em absoluto a confusĂŁo das ideias, estĂŁo mais prĂłximos de nosso centro subjetivo do que todas as mudanças de planos nas quais… Continue lendo “A alegria da confusĂŁo total” – CIORAN

“PatandjĂĄli e o Yoga” – Mircea ELIADE

AtĂ© meados do sĂ©culo passado, o doutor J. M. Honigberger assombrou o mundo cientĂ­fico relatando a histĂłria do yogin Hari-dĂąs. Em LĂĄhaor [Lahore], na presença do marajĂĄ RĂĄnjit Sing do Punjab e da sua corte, Hari-dĂąs se pĂŽe em estado catalĂ©ptico e foi enterrado num jardim. Durante quarenta dias, uma guarda rigorosa vigiou a sua… Continue lendo “PatandjĂĄli e o Yoga” – Mircea ELIADE

“Entusiasmo como forma de amor” – CIORAN

O desespero: forma negativa do entusiasmo.CIORAN, O livro das ilusĂ”esEntusiasmo (do grego in + theos, literalmente 'em Deus'), originalmente significava inspiração ou possessĂŁo por uma entidade divina ou pela presença de Deus. Atualmente, pode ser entendido como um estado de grande arrebatamento e alegria. Uma pessoa entusiasmada estĂĄ disposta a enfrentar dificuldades e desafios, nĂŁo se deixando abater e transmitindo confiança aos demais ao seu redor.… Continue lendo “Entusiasmo como forma de amor” – CIORAN

“A misĂ©ria: excitante do espĂ­rito” (E.M. Cioran)

Para conservar o espĂ­rito desperto, nĂŁo contamos apenas com o cafĂ©, a doença, a insĂŽnia ou a obsessĂŁo da morte; a misĂ©ria contribui tambĂ©m em igual ou maior medida: o terror ao dia seguinte, tanto como o da eternidade, os problemas de dinheiro, tanto como os pavores metafĂ­sicos, excluem o repouso e o abandono: –… Continue lendo “A misĂ©ria: excitante do espĂ­rito” (E.M. Cioran)