“A-caso, o que não é o caso” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Nenhum conceito filosófico mais instável, em sua tradução do grego antigo, do que o "acaso". Ao menos desde Aristóteles, "acaso" diz-se de duas formas: Τύχη (týke) e αύτόματον (autómaton). Týke é também o nome de um divindade, especialmente venerada -- e temida -- no período helenístico (período definido por E.R. Dodds como "uma era de ansiedade"). Autómaton corresponde… Continue lendo “A-caso, o que não é o caso” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)