“Unbridled Romanticism” – Isaiah BERLIN

I NOW COME TO THE FINAL eruption of unbridled Romanticism. According to Friedrich Schlegel, who wrote most authoritatively about this movement, and was indeed a part of it himself, the three factors which most profoundly influenced the entire movement, not only aesthetically but also morally and politically, were, in this order, Fichte’s theory of knowledge,… Continue lendo “Unbridled Romanticism” – Isaiah BERLIN

“Carreira das palavras” – CIORAN

A história das ideias não passa de um desfilar de vocábulos convertidos noutros tantos absolutos: para disso nos convencermos basta sublinhar os acontecimentos filosóficos mais marcantes de um século a esta parte. Sabemos do triunfo da «ciência» na época do positivismo. Quem se reclamasse da ciência podia divagar à vontade: tudo lhe era permitido a… Continue lendo “Carreira das palavras” – CIORAN

Schopenhauer, el pecado original y el pelagianismo de los filósofos | Parerga y Paralipomena

Todo presunto proceder sin supuestos en la filosofía es una fanfarronada: pues siempre hay que tomar algo como dado para partir de ello. Esto es, en concreto, lo que significa el δόϛ μοι ποῦ στῶ1 que constituye la condición indispensable de toda actividad humana, también del filosofar; porque en lo intelectual no podemos flotar en… Continue lendo Schopenhauer, el pecado original y el pelagianismo de los filósofos | Parerga y Paralipomena

“A demarcação do lugar da filosofia de Schopenhauer na história da filosofia” (Dax Moraes)

https://www.youtube.com/watch?v=mwbmccaOWSE O significado de "idealismo" nas obras de Kant e Schopenhauer não é tão claro como poder-se-ia supor à primeira vista. Na edição de 1844 de O mundo como vontade e representação, Schopenhauer anuncia a tese da absoluta distinção entre real e ideal, demarcando assim a peculiaridade de sua filosofia em relação a todos os… Continue lendo “A demarcação do lugar da filosofia de Schopenhauer na história da filosofia” (Dax Moraes)

“O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)

Este artigo procura apresentar a obra póstuma do filósofo alemão Schelling (1775-1854) intitulada Filosofia da Arte. Lançada no Brasil pela Edusp, com tradução e prefácio de Márcio Suzuki, ela constitui um verdadeiro “compêndio do saber romântico”. Palavras-chave: Schelling, idealismo alemão, filosofia da arte Friedrich Wilhelm Joseph Schelling (1775-1854), filósofo guia da escola romântica, pertence –… Continue lendo “O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)