“A alegria, a graça e a felicidade segundo ClĂ©ment Rosset” (JosĂ© Thomaz Brum)

Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, Santa Maria, v.11, n.1, p.227-230. Originalmente publicado sob o tĂ­tulo La joie, la grĂące et le bonheur selon ClĂ©ment Rosset no periĂłdico francĂȘs Alkemie: Revue semestrielle de littĂ©rature et philosophie, n. 11 (DossiĂȘ temĂĄtico “Le Bonheur”), junho de 2013, p. 54-56. Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar as concepçÔes… Continue lendo “A alegria, a graça e a felicidade segundo ClĂ©ment Rosset” (JosĂ© Thomaz Brum)

E.M. Cioran & Clément Rosset: filosofias paralelas

https://www.youtube.com/watch?v=kSWqqrmEP_8 https://www.youtube.com/watch?v=sGAkLhTpTGM

“Una filosofĂ­a de la CaĂ­da” (M. Liliana Herrera A.)

In: HERRERA A., M. Liliana; ABAD T., Alfredo A. (orgs.), Cioran en perspectivas. Pereira: Universidad TecnolĂłgica de Pereira, 2009, p. 204-217. De las consideraciones lingĂŒĂ­sticas y poĂ©ticas sobre la obra de Cioran, nos desplazamos ahora a aquellas de Ă­ndole filosĂłfica. Algunos autores acertadamente han afirmado que el pensamiento de Cioran puede entenderse como una filosofĂ­a de… Continue lendo “Una filosofĂ­a de la CaĂ­da” (M. Liliana Herrera A.)

“Beatitude e sofrimento” – ClĂ©ment ROSSET

Tomo emprestado ao comunicado de Henri Birault, no colĂłquio Royaumont sobre Nietzsche, em 1964, o termo “beatitude”, para definir o tema central da filosofia nietzschiana. Provavelmente, do mesmo modo, outros termos conviriam: alegria de viver, gĂĄudio, jĂșbilo, prazer de existir, adesĂŁo Ă  realidade, e ainda muitos outros. Pouco importa a palavra, aqui Ă© a ideia… Continue lendo “Beatitude e sofrimento” – ClĂ©ment ROSSET

“A fraqueza faz a força” (Contardo Calligaris)

Folha de S. Paulo, 4 de fevereiro de 2010 O ideal masculino hoje Ă© o homem corroĂ­do ou, no mĂ­nimo, arranhado por demĂŽnios internos  NA SEMANA passada, escrevi sobre a dilacerante tristeza dos crepĂșsculos. Uma leitora, JĂșlia Hokama, perguntou-me, brincando: "Psicanalistas tambĂ©m sofrem de melancolia?". Bom, em "Uma Mente Inquieta" (WMF Martins Fontes), Kay Redfield… Continue lendo “A fraqueza faz a força” (Contardo Calligaris)

“A MĂșsica Ă© essencialmente triste ou alegre? Uma questĂŁo ociosa” (Rodrigo InĂĄcio R. SĂĄ Menezes)

Quando esgotamos os pretextos que incitam Ă  alegria ou Ă  tristeza, conseguimos vivĂȘ-las, ambas, em estado puro: nos igualamos assim aos loucos... (Silogismos da amargura) Uma discussĂŁo interessante, mas nĂŁo fecunda, senĂŁo ociosa, Ă© entabulada por ClĂ©ment Rosset em seu livro sobre o tema da beatitude em Nietzsche: Alegria -- A Força Maior (1983) --… Continue lendo “A MĂșsica Ă© essencialmente triste ou alegre? Uma questĂŁo ociosa” (Rodrigo InĂĄcio R. SĂĄ Menezes)

“A alegria musical” (ClĂ©ment Rosset)

Levando em conta o papel central que tem a jubilação e a experiĂȘncia musical, aquela, em Nietzsche, sempre ligada a esta, a credibilidade do pensamento nietzscheano aparece como tributĂĄria da credibilidade de uma concepção da mĂșsica, cujo esboço, em certo sentido, jĂĄ definitivo, O nascimento da tragĂ©dia apresenta. Esta concepção se pode ser resumida em… Continue lendo “A alegria musical” (ClĂ©ment Rosset)

“A força maior” – ClĂ©ment ROSSET

"Os deuses ocultaram o que faz viver os homens." HesĂ­odo UMA DAS MARCAS mais seguras da alegria Ă©, para empregar um qualitativo com ressonĂąncias desagradĂĄveis sob vĂĄrios aspectos, seu carĂĄter totalitĂĄrio. O regime da alegria Ă© o do tudo ou nada: nĂŁo hĂĄ alegria senĂŁo total ou nula (e acrescentarei, antecipando o que virĂĄ a… Continue lendo “A força maior” – ClĂ©ment ROSSET

“Maneiras de ignorar Nietzsche” (ClĂ©ment Rosset)

FOLHA DE S. PAULO, Caderno Mais!, 6 de agosto de 2000 FilĂłsofo comenta os tipos de traição pĂłstuma impostos ao autor de "A Gaia CiĂȘncia" Pode-se dizer dos Estados Unidos da AmĂ©rica, nĂŁo sem maldade nem, sem dĂșvida, com um pouco de injustiça que eram uma das raras naçÔes do mundo a ter evoluĂ­do diretamente… Continue lendo “Maneiras de ignorar Nietzsche” (ClĂ©ment Rosset)

“Post-Scriptum: o descontentamento de Cioran” (ClĂ©ment Rosset)

- Nada tens a declarar? - Sim, senhor, tenho a declarar... que estou longe de estar satisfeito! Christophe, A ideia fixa do sĂĄbio Cosimus O que chamo de o descontentamento de Cioran, na falta de um vocĂĄbulo melhor que poderia ser "in-contentamento", se tal palavra existisse, Ă© alheio a qualquer ressentimento, a qualquer razĂŁo de querer… Continue lendo “Post-Scriptum: o descontentamento de Cioran” (ClĂ©ment Rosset)