“Tédio e decomposição” – Augusto Frederico SCHMIDT

Correio da Manhã, Rio de Janeiro, ano XLIX, no 17453, 5 de fevereiro de 1950. Há poucos dias aqui nestas colunas citei uma passagem do livro de E. M. Cioran, “Précis de décomposition”, livro que é uma espécie de breviário de desespêro e da negação, escrito por um jovem romeno, um homem que naturalmente viu… Continue lendo “Tédio e decomposição” – Augusto Frederico SCHMIDT