“O Tradicionalista e o Gnóstico” – Rodrigo Menezes

Se nos buscamos fora de nós mesmos, encontraremos a catástrofe, erótica ou ideológica. Deve ser por isso que Ralph Waldo Emerson, em seu fundamental ensaio “Self-reliance” [Autodependência] (1840), observou que “viajar é o paraíso dos tolos”. [...] Buscar Deus fora do eu é cortejar os desastres do dogma, a corrupção institucional, a malfeitoria histórica e a crueldade.Harold BLOOM,… Continue lendo “O Tradicionalista e o Gnóstico” – Rodrigo Menezes

A ang̼stia da influ̻ncia РHarold BLOOM

A angústia da influência foi e continua sendo mal interpretado, de uma maneira medíocre. Qualquer leitor capaz deste livro, o que significa qualquer um com alguma sensibilidade literária e que não seja comissário nem ideólogo, de esquerda ou direita, verá que influência-angústia não se refere tanto aos precursores quanto é uma angústia realizada no e… Continue lendo A angústia da influência – Harold BLOOM

Impérios decadentes como metáforas da Criação-Queda e o acosmismo gnóstico – Peter SLOTERDIJK

Apenas agora podemos perguntar pelas "origens" da gnose na história da religião e pelas condições psico-históricas de sua emergência. Qual, então, é o suposto anuviamento dos sentimentos de vida naquela "era do medo" da Antiguidade tardia? Por que surgiram aqueles boatos da alegre piedade cosmológica helênica que, de repente, teria se transformado em um desespero… Continue lendo Impérios decadentes como metáforas da Criação-Queda e o acosmismo gnóstico – Peter SLOTERDIJK

Humanismo demi̼rgico РPeter SLOTERDIJK

A doença deve ter sido a razão últimaDe todo ímpeto de criação;Criando pude curar,Criando me curei.HEINE, H. Schõpfungslieder. Ao renascimento do indivíduo corresponde uma recriação do mundo. Assim como a psicoterapia moderna levou oculta ou abertamente a uma grande repetição de motivos gnósticos, a estética moderna também teve que interferir de maneira nova no conflito… Continue lendo Humanismo demiúrgico – Peter SLOTERDIJK

Crer ou não crer? Eis a falsa questão, segundo Cioran

Cioran manifestou, em mais de uma ocasião, a opinião de que esta pergunta, assim formulada, é no mínimo uma pergunta mal formulada, se não uma questão fundamentalmente falsa, pertencente à esfera desses preconceitos atávicos e debilitantes que constituem a mentalidade e a cultura de um povo, ou de toda uma civilização Não é fácil falar… Continue lendo Crer ou não crer? Eis a falsa questão, segundo Cioran

“Uma breve história do tempo verdadeiro” (Peter Sloterdijk)

Segundo uma palavra de Adolf von Harnack, a gnose significa a helenização aguda do cristianismo. Isso continuaria sendo uma observação profunda, mesmo se conseguissem comprovar as hipóteses da origem não cristã da gnose. Pois independentemente de onde a gnose possa ter surgido — no judaísmo herético-apocalíptico, no dualismo iraniano, num platonismo orientalizado, na hermética ou… Continue lendo “Uma breve história do tempo verdadeiro” (Peter Sloterdijk)

A libertação necessária e (im)possível: a tragédia humana tem redenção, segundo Cioran?

"Ceder, em meio aos nossos males, à tentação de crer que não nos terão servido para nada, que sem eles estaríamos infinitamente mais avançados, é esquecer o duplo aspecto da doença: aniquilação e revelação; ela só nos arranca às nossas aparências para melhor nos abrir à nossa realidade última, e às vezes ao invisível." CIORAN,… Continue lendo A libertação necessária e (im)possível: a tragédia humana tem redenção, segundo Cioran?

“Um Cristo sombrio nos Evangelhos de Nag Hammadi” – Jornal do Brasil, 1975

Uma das primeiras notícias na imprensa brasileira, se não a primeiríssima, sobre a Biblioteca gnóstica de Nag Hammadi, descoberta no Egito 30 anos antes. Há 1600 anos, em cavernas, no Egito, estranhos monges gnósticos escreviam a seu modo o Novo Testamento Dentro do que se poderia chamar uma arqueologia religiosa judaico-cristã, a mais importante descoberta… Continue lendo “Um Cristo sombrio nos Evangelhos de Nag Hammadi” – Jornal do Brasil, 1975

A centralidade do Coração no processo de cognição e na constituição da subjetividade, segundo Cioran

"Que haja ou não uma solução para os problemas, isso só preocupa uma minoria; que os sentimentos não tenham nenhuma saída, que não venham dar em nada, que se percam neles mesmos, eis o drama inconsciente de todos, o insolúvel afetivo que cada um sofre sem pensar nele."CIORAN, Silogismos da amargura (1952) "Olhando as coisas… Continue lendo A centralidade do Coração no processo de cognição e na constituição da subjetividade, segundo Cioran

Guión de temas y tópicos de discusión: Tertúlia con Leobardo Villegas Mariscal – 08/04/2021 | 17h Bra | 15h Mex

La relación lector-autor de una obra fragmentaria y asistemática "- ¿Qué diría usted a quien descubra su obra? ¿Le aconsejaría que comenzara por una obra mejor que por otra?- Puede elegir cualquiera de ellas, ya que no hay progresión en lo que escribo. Mi primer libro contiene ya virtualmente todo lo que he dicho posteriormente.… Continue lendo Guión de temas y tópicos de discusión: Tertúlia con Leobardo Villegas Mariscal – 08/04/2021 | 17h Bra | 15h Mex