“Não se lê Cioran para compreendê-lo, mas antes para compreender melhor a nós mesmos”: Tertúlia com José Luis Álvarez LOPEZTELLO (UAMEX)

Foi a segunda atividade – a segunda tertúlia – do Portal E.M. Cioran Brasil no YouTube em 2021, ambas contando com a ilustre presença – a diligente colaboração e a rica contribuição teórica – de dois dos mais importantes estudiosos acadêmicos de Cioran no México. Ficam registrados, uma vez mais, os meus sinceros e afetuosos… Continue lendo “Não se lê Cioran para compreendê-lo, mas antes para compreender melhor a nós mesmos”: Tertúlia com José Luis Álvarez LOPEZTELLO (UAMEX)

Manuais de anti-ajuda: Byung-Chul Han & Emil Cioran, críticos da positividade tóxica

Se, na Idade Teológica, ser humano significava adorar a Deus (Jesus), se ser virtuoso significava ser um cristão de fidelidade a toda prova (um santo) e ser mau significava ser herege (uma feiticeira), na Idade da Razão ser verdadeiramente humano significa adorar a Ciência (a Tecnologia, o Progresso), ser virtuoso significa gozar boa saúde (ser… Continue lendo Manuais de anti-ajuda: Byung-Chul Han & Emil Cioran, críticos da positividade tóxica

“Duas diatribes”: mais 2 ensaios inéditos de Cioran traduzidos ao português

O TEXTO: Dois ensaios complementares de Cioran, “Portrait du civilisé”, extraído de La chute dans le temps (1964), e “Les nouveaux dieux”, de Le mauvais démiurge (1969), em que o pensador demonstra sua veia ensaística e vigorosa prosa literário-filosófica. Trata-se de duas diatribes, dois ensaios tenazes a meio caminho entre as filosofias helenísticas e a… Continue lendo “Duas diatribes”: mais 2 ensaios inéditos de Cioran traduzidos ao português

“A árvore da vida” (E.M. Cioran)

NÃO É BOM que o homem se lembre a cada instante de que é homem. Debruçar-se sobre si já é um mal; debruçar-se sobre a espécie, com o zelo de um obsesso, é ainda pior: é dar às misérias arbitrárias da introspecção um fundamento objetivo e uma justificação filosófica. Enquanto se tritura seu eu, tem-se… Continue lendo “A árvore da vida” (E.M. Cioran)

Relatório de uma Jornada Acadêmica: 70 anos do Précis de Décomposition / Breviário de Decomposição (1949-2019)

Realizou-se, na Universidade Federal do ABC (UFABC), em 27 de novembro deste ano de 2019, a Jornada Acadêmica – 70 anos do Précis de Décomposition (1949-2019): um mini-colóquio dedicado a debates em torno deste que é o primeiro livro escrito por Cioran em francês, e um divisor de águas no conjunto da sua obra. No… Continue lendo Relatório de uma Jornada Acadêmica: 70 anos do Précis de Décomposition / Breviário de Decomposição (1949-2019)

“30 anos da primeira edição brasileira do Breviário de Decomposição” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

"Encaminhar-se para o fim da história com uma flor na lapela: único traje apropriado no desenvolvimento do tempo. Que lástima que não haja um Juízo Final, que não tenhamos ocasião para um grande desafio!" (Breviário de decomposição) * "O final da história? O fim do homem? É sério pensar nisso? São acontecimentos longínquos que a… Continue lendo “30 anos da primeira edição brasileira do Breviário de Decomposição” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“La perduta gente” (E.M. Cioran)

QUE IDEIA RIDÍCULA construir círculos no inferno, variar por compartimentos a intensidade das chamas e hierarquizar os tormentos! O importante é estar ali: o resto – simples floreios ou... queimaduras. Na cidade de cima – prefiguração mais doce da de baixo, ambas originárias do mesmo modelo –, o essencial, igualmente, não é ser algo concreto… Continue lendo “La perduta gente” (E.M. Cioran)

“E.M. Cioran o el fin de la historia” (Armando Pereira)

Revista de la Universidad de México, 10 de junio 1978 1. En la línea de Baudelaire, Rimbaud y Lautréamont, la obra de Cioran irrumpe en un vasto haz de múltiples significaciones. No hay un solo sector de la realidad (y de lo irreal) en el que no incida el pensamiento del filósofo rumano, para minarlo,… Continue lendo “E.M. Cioran o el fin de la historia” (Armando Pereira)

“O cenário do saber” (E.M. Cioran)

NOSSAS VERDADES não valem mais que as de nossos antepassados. Depois de haver substituído seus mitos e seus símbolos por conceitos, nos julgamos mais “avançados”; mas esses mitos e esses símbolos não exprimem menos que nossos conceitos. A Árvore da Vida, a Serpente, Eva e o Paraíso significam tanto como: Vida, Conhecimento, Tentação, Inconsciente. As… Continue lendo “O cenário do saber” (E.M. Cioran)

“As duas verdades” (E.M. Cioran)

"É hora de encerramento nos jardins do Ocidente." CYRIL CONNOLLY SEGUNDO UMA LENDA de inspiração gnóstica, travou-se no céu uma luta entre os anjos, em que os partidários de Miguel derrotaram os do Dragão. Os anjos que, irresolutos, contentaram-se em observar, foram condenados aqui abaixo afim de fazerem a escolha à qual não se puderam… Continue lendo “As duas verdades” (E.M. Cioran)