“O experimentalismo contra os idealismos nos escritos intermediários de Nietzsche” – Jelson Roberto de OLIVEIRA

Princípios, UFRN, v. 16, n. 26, jul/dez 2009, p. 149-166 Resumo: Pretende-se nesse artigo demonstrar como o chamado experimentalismo se apresenta, nas obras do segundo período da produção nietzscheana (1878-1882), enquanto estratégia de combate aos “idealismos” (cujo resultado foi um distanciamento daquilo que Nietzsche compreende como vida) presentes na filosofia metafísica. Além disso, intenta-se esclarecer… Continue lendo “O experimentalismo contra os idealismos nos escritos intermediários de Nietzsche” – Jelson Roberto de OLIVEIRA

“A demarcação do lugar da filosofia de Schopenhauer na história da filosofia” (Dax Moraes)

https://www.youtube.com/watch?v=mwbmccaOWSE O significado de "idealismo" nas obras de Kant e Schopenhauer não é tão claro como poder-se-ia supor à primeira vista. Na edição de 1844 de O mundo como vontade e representação, Schopenhauer anuncia a tese da absoluta distinção entre real e ideal, demarcando assim a peculiaridade de sua filosofia em relação a todos os… Continue lendo “A demarcação do lugar da filosofia de Schopenhauer na história da filosofia” (Dax Moraes)

“A Maioridade de poucos e a Menoridade de muitos: Esclarecimento, Emancipação e Pessimismo Antropológico em Kant” – Rodrigo MENEZES

Introdução O célebre texto de Immanuel Kant (1724-1804) Resposta à questão: o que é o Esclarecimento?, publicado na revista Berlinischen Monatsschrift em 1784, fora motivado pela publicação prévia, na mesma revista, de um artigo cujo (Johann Friedrich Zöllner, um pastor berlinense) condenava o casamento civil em favor do religioso, polemizando contra a confusão geral que,… Continue lendo “A Maioridade de poucos e a Menoridade de muitos: Esclarecimento, Emancipação e Pessimismo Antropológico em Kant” – Rodrigo MENEZES

“O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)

Este artigo procura apresentar a obra póstuma do filósofo alemão Schelling (1775-1854) intitulada Filosofia da Arte. Lançada no Brasil pela Edusp, com tradução e prefácio de Márcio Suzuki, ela constitui um verdadeiro “compêndio do saber romântico”. Palavras-chave: Schelling, idealismo alemão, filosofia da arte Friedrich Wilhelm Joseph Schelling (1775-1854), filósofo guia da escola romântica, pertence –… Continue lendo “O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)