“O que hĂĄ em mim Ă© sobretudo cansaço” – Fernando Pessoa

Poesia e poema de autor portuguĂȘs. Fernando AntĂłnio Nogueira Pessoa (1888 — 1935) foi um poeta, filĂłsofo, dramaturgo, ensaĂ­sta, tradutor, publicitĂĄrio, astrĂłlogo, inventor, empresĂĄrio, correspondente comercial, crĂ­tico literĂĄrio e comentarista polĂ­tico portuguĂȘs. Um dos maiores gĂ©nios poĂ©ticos de toda a nossa Literatura e um dos poucos escritores portugueses mundialmente conhecidos. A sua poesia acabou por… Continue lendo “O que hĂĄ em mim Ă© sobretudo cansaço” – Fernando Pessoa

“Leopardi, poeta do infinito” (Marco Lucchesi)

Psiquiatria & SaĂșde Mental, USP, n. 43, 1999 I – DIAS FUTUROS “Cada objeto amado Ă© o centro de um paraĂ­so” (Novalis, PĂłlen, frag. 50).“A quantidade de ensaios crĂ­tico sem torno da obra de Giacomo Leopardi sĂł pode ser equiparada com o renovado entusiasmo de seus leitores. Leopardi nĂŁo Ă© um homem de letras, mas… Continue lendo “Leopardi, poeta do infinito” (Marco Lucchesi)

O Mar, infinito em transformação, como metåfora da vida e da filosofia: entrevista com Karl Jaspers

https://www.youtube.com/watch?v=k53hl-C2voQ Entrevista completa legendada em inglĂȘs: https://www.youtube.com/watch?v=0UJ0F6UsOqo German-Swiss psychiatrist and philosopher Karl Jaspers discusses his life in an interview from 1968.

“InconsistĂȘncia humana” (Emil Cioran)

Experimentei, em grande silĂȘncio e em grande solidĂŁo, no meio da natureza, longe da humanidade e perto de mim, uma sensação de interminĂĄvel tumulto, em que o mundo, como uma torrente irresistĂ­vel, me atropelou, me atravessou como um fluido transparente e imperceptĂ­vel. Ao fechar os olhos, o mundo inteiro parece ter-se fundido no meu cĂ©rebro,… Continue lendo “InconsistĂȘncia humana” (Emil Cioran)

“Morrer de entusiasmo” (Emil Cioran)

QUE NOSSA ALMA MORRA DE ENTUSIASMO; que todos morramos de entusiasmo. Que o Ă­mpeto de viver seja irresistĂ­vel e que o inflame o desespero. Que nossa missĂŁo se acabe em uma Ășltima palpitação, na grande palpitação de nosso entusiasmo. Se nĂŁo morremos de entusiasmo, nenhum de nĂłs terĂĄ vivido. Que esse entusiasmo se transforme em… Continue lendo “Morrer de entusiasmo” (Emil Cioran)