Cioran: conhecimento e sofrimento, titanismo e expiação (4 contextos)

Nada do que sabemos está livre de expiação. Pagamos caro, cedo ou tarde, por cada paradoxo, coragem de pensamento ou indiscrição do espírito. No castigo que sucede a qualquer progresso do conhecimento há um estranho feitiço. Arrancaste o véu que encobre a inconsciência da natureza? Pagarás com uma tristeza cuja origem não podes suspeitar. Te… Continue lendo Cioran: conhecimento e sofrimento, titanismo e expiação (4 contextos)

“A parte das coisas” – CIORAN

É preciso uma considerável dose de inconsciência para entregar-se sem reservas a qualquer coisa. Os crentes, os apaixonados, os discípulos, só percebem uma face de suas deidades, de seus ídolos, de seus mestres. O entusiasta permanece inelutavelmente ingênuo. Há sentimento puro onde a mescla de graça e imbecilidade não se traia, e admiração devota sem… Continue lendo “A parte das coisas” – CIORAN

Insônia – Mario Eduardo Costa Pereira

https://www.youtube.com/watch?v=0Qkox1DHH4c Dormir aparece nos dicionários como o ato de estar entregue ao sono, de permanecer num estado de repouso, de suspensão da atividade motora e perceptiva. Mas será que esta definição ainda se aplica ao nosso sono contemporâneo? Estamos conseguindo nos entregar plenamente ao ato de dormir? A insônia pode ser um retrato do nosso… Continue lendo Insônia – Mario Eduardo Costa Pereira

“Invocação à Insônia” – CIORAN

Eu tinha dezessete anos e acreditava na filosofia. O que não se referia a ela parecia-me pecado ou lixo: os poetas? saltimbancos aptos para a diversão de mulherzinhas; a ação? imbecilidade delirante; o amor, a morte? pretextos de baixa categoria que se recusavam à honra dos conceitos. Odor nauseabundo de um universo indigno do perfume… Continue lendo “Invocação à Insônia” – CIORAN

“Confissão resumida / Relendo…” – CIORAN

Os dois últimos textos de Exercícios de admiração (1986) não são - à diferença dos demais - retratos ou perfis literários de figuras presentes ou passadas que Cioran admirava.

“Insomnio y soledad de E.M. Cioran: una teoría del suicidio” (Alejandro García Abreu)

La Jornada Semanal, 15 noviembre 2019 Se cumplen setenta años del primer libro de E.M. Cioran escrito en francés: 'Breviario de podredumbre'. Una doble renuncia En 1940 ocurrió uno de los acontecimientos más significativos en la vida de E.M. Cioran: comenzó a escribir en francés. Posteriormente ocurrió otro: el 18 de noviembre de 1942 conoció en… Continue lendo “Insomnio y soledad de E.M. Cioran: una teoría del suicidio” (Alejandro García Abreu)

Alec Rodriguez: insônia e criação musical

Alec Rodriguez é um jovem talentoso de 19 anos para quem o calvário da insônia serve de matéria-prima para a criação musical. Leitor de Cioran, em quem encontrou compreensão e certo consolo, Alec dedica ao filósofo romeno algumas de suas composições. Minhas favoritas: "Insomniac French Horn Concerto", "The Insomniac Intellectual", "Providential Bicycle", "Dracula". https://www.youtube.com/watch?v=MhUWAcNjMr4 https://www.youtube.com/watch?v=PX0b2ceDBe8… Continue lendo Alec Rodriguez: insônia e criação musical

“Fitzgerald: a experiência pascalina de um romancista americano” – CIORAN

A LUCIDEZ, em alguns, é um dado primordial, um privilégio e mesmo uma graça. Não têm necessidade de adquiri-la, de procurá-la: são predestinados a ela. Todas as suas experiências contribuem para torná-los transparentes diante de si mesmos. Atingidos pela clarividência, não sofrem com isso, de tanto que ela os define. Se vivem numa crise permanente,… Continue lendo “Fitzgerald: a experiência pascalina de um romancista americano” – CIORAN

“O pensador de ocasião” – E.M. CIORAN

Há um duplo sentido implícito na fórmula: "Pensador de ocasião" tanto no sentido de não sê-lo por profissão ou por qualquer formalidade exterior, senão ocasionalmente, por acidente, ao ritmo de seus padecimentos e de suas tristezas, como também no sentido da expressão idiomática francesa que significa "usado", "de segunda mão", como os livros vendidos e… Continue lendo “O pensador de ocasião” – E.M. CIORAN

“Disciplina da atonia” (E.M. Cioran)

COMO CERA sob o calor do sol, derreto-me durante o dia e solidifico-me à noite, alternância que me decompõe e me restitui a mim mesmo, metamorfose na inércia e na preguiça... Aqui devia acabar tudo o que li e soube, é este o termo de minhas vigílias? A preguiça embotou meus entusiasmos, enfraqueceu meus apetites,… Continue lendo “Disciplina da atonia” (E.M. Cioran)