Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

Começa-se normalmente pelo "segundo nascimento de Cioran", conforme se refere Patrice Bollon ao marco divisor da obra, o Breviário de decomposição, o premiado livro de estreia do autor romeno em língua francesa, desconhecendo em maior ou menor medida a biografia pregressa do pensador transilvano, muitas vezes ignorando que, antes de adotar o francês como língua… Continue lendo Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

“Só através do coração sabemos que algo muda”: entrevista com Simona Constantinovici sobre o Dicţionar de Termeni Cioranieni (2/3)

“Constantin Noica identifica em certas palavras romenas a história de nosso povo mesmo, como por exemplo o fenômeno da transumância. A tentativa de traduzi-las equivaleria a desenraizá-las, aniquilando assim o seu potencial ancestral de motivar a língua, o modo de ser de um povo, seu sentimento profundo. As palavras têm o mesmo destino que os… Continue lendo “Só através do coração sabemos que algo muda”: entrevista com Simona Constantinovici sobre o DicÅ£ionar de Termeni Cioranieni (2/3)

“Cioran, ingênuo e sentimental”, de Ion Vartic – Rodrigo Inácio R. SÁ MENEZES

RESENHA: VARTIC, Ion. Cioran, ingenuo y sentimental. Trad. do romeno de Francisco Javier Marina (título original: "Cioran, naiv şi sentimental"). Zaragoza: Mira Editores, 2009. O ensaio de crítica literária e psicológica de Ion Vartic sobre Cioran parte das noções schillerianas de "ingênuo" e "sentimental" para definir o "tipo psicológico" do escritor romeno radicado em Paris.… Continue lendo “Cioran, ingênuo e sentimental”, de Ion Vartic – Rodrigo Inácio R. SÁ MENEZES

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]… Continue lendo Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Un Cioran méconnu” (Mara Magda Maftei)

Romanica Olomucensia 29/1 (2017): 87-105, doi: 10.5507/ro.2017.007 Abstract: It is said that youth marks us for ever, that the past is never forgotten. What about when it comes to a controversial writer with a double culture, French-Romanian, and born in a turbulent historical context? This paper emphasizes some original matters concerning the writer Emil Cioran.… Continue lendo “Un Cioran méconnu” (Mara Magda Maftei)

“El Universo malogrado: Carta a Cioran”: entrevista com José Ignacio Nájera

Ao hipotético leitor de Cioran, diria que ele não o decepcionará, que seus livros não cairão de suas mãos como muitas vezes acontece com isso que se denomina filosofia. E mais, a leitura de Cioran é como comer a maçã do Paraíso que o aproximará do conhecimento, e por isso o tornará mais grave, mais… Continue lendo “El Universo malogrado: Carta a Cioran”: entrevista com José Ignacio Nájera

Entrevista a José Ignacio Nájera, autor de “El Universo Malogrado – Carta a Cioran”

"Para los posibles suicidas: Cioran es un seguro de vida" (J. I. Nájera) José Ignacio Nájera (Xauen, Marruecos) vive en Murcia desde 1979, donde es profesor de filosofía en el Instituto Alfonso X el Sabio. Además del libro El universo malogrado – carta a Cioran, ha publicado las novelas Olvídate de Alcibíades, Hermanos mayores y El enfermo… Continue lendo Entrevista a José Ignacio Nájera, autor de “El Universo Malogrado – Carta a Cioran”

“Uma homenagem subjetiva…” (Matéi Visniec)

Não conheci Cioran pessoalmente. Aliás, nem mesmo tentei, já que sua obra me parecia suficiente para que eu pudesse me comunicar e dialogar com ele tendo toda liberdade e da maneira mais cordial. Mas, por curiosidade, fui ouvir Cioran, que devia se apresentar num colóquio sobre Benjamin Fondane. Foi em 1988, creio. Escutei a intervenção… Continue lendo “Uma homenagem subjetiva…” (Matéi Visniec)