“A sombra do amado”: a poesia mística de Rūmī

Morrei, morrei, de tanto amor morrei,morrei, morrei de amor e vivereis.Morrei, morrei, e não temais a morte,voai, voai bem longe, além das nuvens.Morrei, morrei, nesta carne morrei,é mero laço, a carne que vos prende!#Vamos, quebrai, quebrai esta prisão!Sereis de pronto príncipes e emires!Morrei, morrei aos pés do Soberano:e assim sereis ministros e sultões!Morrei, morrei, deixai… Continue lendo “A sombra do amado”: a poesia mística de Rūmī

“Lágrimas e Santos, versão do diretor” – Rodrigo MENEZES

Para Joan M. Marín. Todo leitor de Cioran sabe que um dos seus livros romenos, após Nos cumes do desespero (1934) e O livro das ilusões (1936) (ambos traduzidos e publicados no Brasil), é Lacrimi şi Sfinţi [Lágrimas e Santos], cronologicamente o terceiro título no conjunto da obra (publicado na Romênia em 1937). O que não é… Continue lendo “Lágrimas e Santos, versão do diretor” – Rodrigo MENEZES