Cioran e Keats: o imperativo da intensidade e poéticas do grotesco

Segundo o tradutor PĂ©ricles EugĂȘnio da Silva Ramos, o princĂ­pio da intensidade desempenha um papel fundamental na poĂ©tica de John Keats (1795-1821). Em 21 de dezembro de 1817, o poeta inglĂȘs escreveria, em carta ao irmĂŁo George, que "a excelĂȘncia de toda arte estĂĄ em sua intensidade, capaz de fazer o desagradĂĄvel ('all desagreeables') evaporar… Continue lendo Cioran e Keats: o imperativo da intensidade e poĂ©ticas do grotesco

Iluminismo & Romantismo – Harold BLOOM

A NOSSA DEFINIÇÃO CLÁSSICA daquilo que o sublime literĂĄrio reivindica pode ser encontrada nas sentenças iniciais de The romantic sublime O sublime romĂąntico de Thomas Weiskel: A alegação essencial do sublime Ă© que o homem pode, no sentimento e na linguagem, transcender o humano. O que se encontra alĂ©m do humano, se Ă© que algo… Continue lendo Iluminismo & Romantismo – Harold BLOOM

Ceticismo (Charles Landesman)

PrefĂĄcio Ideias cĂ©ticas podem ser encontradas em muitos textos da filosofia grega antiga; elas reaparecem na filosofia moderna em novas versĂ”es e continuam a ter influĂȘncia atĂ© os tempos atuais. Empregaram-se argumentos cĂ©ticos para corroborar visĂ”es filosĂłficas que, embora nĂŁo totalmente cĂ©ticas, tendem para essa direção: termos como relativismo, convencionalismo, construtivismo, anti-realismo, pragmatismo e subjetivismo… Continue lendo Ceticismo (Charles Landesman)