“Discursos do silêncio” – Guilherme Castelo Branco

Jornal do Brasil, 28 de março de 1987 Clement Rosset, autor da trilogia Elementos para uma filosofia do trágico, reconhece o valor dos pensadores que, recusando a tradição, afirmam o pior. Conheça um pouco da teoria deste francês que será lançado no Brasil no segundo semestre deste ano. A filosofia, segundo a tradição, é um… Continue lendo “Discursos do silêncio” – Guilherme Castelo Branco

“Brecht é discípulo de Piscator”: entrevista de Ionesco ao JB (1960)

Suplemento dominical do Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 5/6 de novembro de 1960 Nossa entrevista com lonesco — comprimida entre dois encontros do famoso teatrólogo romeno, hoje naturalizado francês — tem lugar no hall do Copacabana Palace. Seu nervosismo e sobretudo o temor de ser massacrado por mais de um jornalista caracterizam os primeiros… Continue lendo “Brecht é discípulo de Piscator”: entrevista de Ionesco ao JB (1960)

Cioran, Dalí e “o livro mais caro do mundo”

Em entrevista ao Le Point (14/02/2003), Peter Sloterdijk afirmou que Cioran foi "o último verdadeiro cínico de nossa época", tendo levado uma "vida monástica informal. Mas ser o monge de um desespero privado custa caro, pois você está sendo o tempo todo confrontando por refutações de sua escolha, à prova de que a felicidade não… Continue lendo Cioran, Dalí e “o livro mais caro do mundo”

“Um Cristo sombrio nos Evangelhos de Nag Hammadi” – Jornal do Brasil, 1975

Uma das primeiras notícias na imprensa brasileira, se não a primeiríssima, sobre a Biblioteca gnóstica de Nag Hammadi, descoberta no Egito 30 anos antes. Há 1600 anos, em cavernas, no Egito, estranhos monges gnósticos escreviam a seu modo o Novo Testamento Dentro do que se poderia chamar uma arqueologia religiosa judaico-cristã, a mais importante descoberta… Continue lendo “Um Cristo sombrio nos Evangelhos de Nag Hammadi” – Jornal do Brasil, 1975

“Cioran e a arte da provocação” (Pedro Maciel)

Digestivo Cultural, segunda-feira, 12/8/2002. Texto originalmente publicado no caderno "Idéias", Jornal do Brasil, 3 de março de 2001 O tédio alimenta o pessimismo. Segundo Cioran "o pessimista deve inventar para si mesmo, a cada dia, outras razões para existir: é uma vítima do sentido da vida". Entedia-se diante da vida aquele que busca revelar o tempo. "Entediar-se… Continue lendo “Cioran e a arte da provocação” (Pedro Maciel)

“Morre o filósofo considerado o maior dos pessimistas” (Jornal do Brasil, 21 de junho de 1995)

"A arte de amar? É saber unir a um temperamento de vampiro a discrição de uma anêmona." Publicado em Jornal do Brasil, "Caderno B", 21 de junho de 1995 Emil Michel Cioran, o exilado filósofo romeno que escreveu em francês uma das mais representativas obras do Ocidente, morreu ontem, aos 84 anos, de complicações decorrentes… Continue lendo “Morre o filósofo considerado o maior dos pessimistas” (Jornal do Brasil, 21 de junho de 1995)