“Hannah Arendt: a capacidade de julgar” – José Alves de Freitas Neto

A banalidade do mal é chave fundamental no pensamento de Hannah Arendt e se desdobra nas questões que enfrentamos no século XXI. A partir do célebre julgamento de um burocrata nazista, Arendt sugeriu formulações incômodas sobre a capacidade de julgar, de discernir, de pensar. A banalidade do mal é, de certa forma, uma advertência aos… Continue lendo “Hannah Arendt: a capacidade de julgar” – José Alves de Freitas Neto

Publicidade