“Mundo como metáfora e as metáforas-mundo” – Hans BLUMENBERG

Uma expressão como "chove" poderia ser vista como a forma originária da determinação mínima, como se pode verificar na fácil metaforização "chovem protestos". Quem é que propriamente chove? Já foi dito que este impessoal descreve a generalidade da situação em que se fixa o fenômeno especial da chuva, do relâmpago e do trovão. Disso derivaria… Continue lendo “Mundo como metáfora e as metáforas-mundo” – Hans BLUMENBERG

“Maurice Blanchot e o espaço do imaginário: algumas aproximações” – Renato SUTTANA

Letras de Hoje - Estudos e Debates de assuntos de linguística, literatura e língua portuguesa, v. 48 n. 2 (2013). Resumo: Neste trabalho, abordamos noção de espaço, aplicado ao estudo da obra literária, conforme se configura nos escritos de Maurice Blanchot. Tomando como base, principalmente, as suas reflexões sobre as obras de Joubert, Borges, Kafka… Continue lendo “Maurice Blanchot e o espaço do imaginário: algumas aproximações” – Renato SUTTANA

Relatório sobre um relatório de atividade universitária (1938-1939)

Lendo o relatório “sur mon activité universitaire pendant l’année universitaire 1938-1939”, do jovem Cioran. Que delícia digestiva após um almoço não menos delicioso (ensopado de peixe com pirão, além de 4 potinhos de uma sobremesa cujo nome não me recordo, e pouco importa, o importante sendo o manjar em si, cuja quantidade consumida não faz senão trair… Continue lendo Relatório sobre um relatório de atividade universitária (1938-1939)

“Cioran e o grande estilo” (Stéphane Barsacq)

CIORAN, que não se entrega a mais nada, entregou-se ao francês. "Pensar em francês é apartar-se do caos, de tudo o que ele aporta de riquezas e de surpresas", escreve ele, lembrando que se refere mais do que tudo à clareza francesa. Ele faz sentir a embriaguez, em que se compraz com o mundo. Apanharam-no.… Continue lendo “Cioran e o grande estilo” (Stéphane Barsacq)

“Moralistes du Grand Siècle” (Bérangère Parmentier)

LES FORMES BRÈVES, Tdc no. 1077 Chez les moralistes du XVIIe siècle, style et pensée ne font qu’un : brièveté et discontinuité témoignent d’un regard nouveau, individualisé, porté sur la vie en société. Le cas des « moralistes français » nous permet d’observer la constitution historique d’un genre. C’est une lignée qui se construit œuvre… Continue lendo “Moralistes du Grand Siècle” (Bérangère Parmentier)