“O sublime e a alegoria” – Katia MURICY

Revista O Que Nos Faz Pensar (PUC-RIO), nº 21, maio de 2007 A oposição à modernidade se dá dentro da modernidade. Criticá-la é uma das funções do espírito moderno e mais ainda: é uma maneira de realizá-lo. O tempo moderno é o tempo da cisão e da negação de si mesmo, o tempo da crítica…Hoje… Continue lendo “O sublime e a alegoria” – Katia MURICY

“O heroísmo do presente” – Katia MURICY

Revista Tempo Social (USP), vol. 7 (1-2), outubro de 1995, pp. 31-44. RESUMO: Uma aproximação da história do presente de Michel Foucault da concepção de história de Walter Benjamin, a partir de suas análises sobre a visão de modernidade como construção do tempo na obra de Baudelaire. Palavras-chave: Foucault, Benjamin, Baudelaire, História, História do presente, Tempo,… Continue lendo “O heroísmo do presente” – Katia MURICY

A ética da lei e a ética do cuidado – Željko LOPARIĆ | CPFL Cultura

O que é ser ético? Neste programa como a ética foi vista pela filosofia e pela psicanálise ao longo da história. A ética hoje, nossa responsabilidade e com a nossa vida e a vida do outro. https://www.youtube.com/watch?v=NDeE3NB3XBI Željko Loparić (Cvetković, 3 de dezembro de 1939) é um filósofo, historiador da filosofia e professor universitário croata… Continue lendo A ética da lei e a ética do cuidado – Željko LOPARIĆ | CPFL Cultura

“Heidegger: serenidade no deserto” – Željko LOPARIĆ

Palestra realizada no Espaço Cultural CPFL | Balanço do século XX -Paradigmas do século XXI. Curadora de Oswaldo Giacoia Jr. https://www.youtube.com/watch?v=wqSjt-aMtfs Željko Loparić (Cvetković, 3 de dezembro de 1939) é um filósofo, historiador da filosofia e professor universitário croata e naturalizado brasileiro. Atualmente é professor titular aposentado na Universidade Estadual de Campinas e docente junto… Continue lendo “Heidegger: serenidade no deserto” – Željko LOPARIĆ

“«If You Want To Kill Yourself…» – For a Critique of Suicidal Reason” – Julio CABRERA

(n.t.) Nota do Tradutor, nr. 23, special illustrated edition («Suicidário»), 2021, pp. 12-58. Transl. by Rodrigo Menezes. An unpublished essay by Argentinian-born, Brazilian-based philosopher Julio Cabrera, internationally renowned for his studies on negative ethics, and considered one of the most important South American representatives of contemporary Antinatalism, a movement anticipated by his Projeto de ética… Continue lendo “«If You Want To Kill Yourself…» – For a Critique of Suicidal Reason” – Julio CABRERA

Nothing Exists But You: The Philosophy of Solipsism | EINZELGÄNGER

Solipsism denies that the human mind has any valid reason for believing that anything outside itself exists, which is a pretty radical standpoint to take. But who knows: could it be that despite the vastness of the universe (or so it seems), only you exist? This video explores the philosophy of solipsism, using ideas from… Continue lendo Nothing Exists But You: The Philosophy of Solipsism | EINZELGÄNGER

“O suicida: um viajante kafkiano” – Julio CABRERA

As condenações morais do suicídio – desde a de Schopenhauer, que o considera ilusão, até Wittgenstein, que o considera “o máximo pecado moral” – são lugares filosóficos muito estratégicos para aprender os mecanismos de constituição das Éticas afirmativas. [...] A abordagem kantiana do suicídio é extremamente pobre, do ponto de vista psicológico, como a totalidade… Continue lendo “O suicida: um viajante kafkiano” – Julio CABRERA

“Anticlericalism and Atheism” – Richard RORTY

Some day, intellectual historians may remark that the twentieth century was the one in which the philosophy professors began to stop asking bad questions—questions like “What really exists?” “What are the scope and limits of human knowledge?” and “How does language hook up with reality?” These questions assume that philosophy can be done ahistorically. They… Continue lendo “Anticlericalism and Atheism” – Richard RORTY

“O ensaio como forma” – Theodor W. ADORNO

Destinado a ver o iluminado, não a luz.GOETHE, Pandora Que o ensaio, na Alemanha, esteja difamado como um produto bastardo; que sua forma careça de uma tradição convincente; que suas demandas enfáticas só tenham sido satisfeitas de modo intermitente, tudo isso já foi dito e repreendido o bastante. “A forma do ensaio ainda não conseguiu… Continue lendo “O ensaio como forma” – Theodor W. ADORNO

“Filosofía y futuro” – Richard RORTY

Supongan que hemos reformulado nuestro mapa del universo o nuestras instituciones políticas o la idea que tenemos acerca del sentido de nuestra vida: hemos cambiado todo esto de forma que ahora parece muy superior a lo que teníamos antes. ¿Deberíamos decir entonces que hemos logrado una visión correcta del universo, de la política o de… Continue lendo “Filosofía y futuro” – Richard RORTY