“O voluptuoso, o insolúvel: Liliana Herrera e a paixão-Cioran” – Rodrigo Menezes

Hegel é meu exato oposto. Hegel é impensável para mim, por mais que eu reconheça sua importância. Mas isso é outra estória. Tenho um amigo na Romênia, um especialista no pensamento de Hegel [Constantin Noica], que não consegue ler minhas coisas, que não me leva a sério. Não obstante, muito embora tivesse uma mentalidade totalmente… Continue lendo “O voluptuoso, o insolúvel: Liliana Herrera e a paixão-Cioran” – Rodrigo Menezes

Salvador Dalí e a Antropologia da Excentricidade, segundo Sloterdijk

A julgar pela antropologia filosófica da excentricidade elaborada por Peter Sloterdijk, a partir dos estudos de Helmut Plessner, no início do século XX, Salvador Dalí não é o perfeito excêntrico por se comportar e agir de modo bizarro e nada convencional, contra os costumes, como uma exceção à regra. De acordo com a antropologia da… Continue lendo Salvador Dalí e a Antropologia da Excentricidade, segundo Sloterdijk

Pós-Metafísica, Pós-Modernidade, Pós-História, Pós-Humanismo: em diálogo com Kerstin Borchhardt sobre a recepção cioraniana de Nietzsche

Portal E.M. Cioran Brasil, 7 de junho de 2021[1] Kerstin BORCHHARDT é filósofa e historiadora da arte, doutora em História da Arte pela Universidade Friedrich-Schiller, em Iena, onde obteve bolsas de estudo de importantes instituições como Studienstiftung des deutschen Volkes, Gerda Henkel Stiftung e Fritz Thyssen Stiftung. Lecionou na Universidade de Erfurt de 2013 a… Continue lendo Pós-Metafísica, Pós-Modernidade, Pós-História, Pós-Humanismo: em diálogo com Kerstin Borchhardt sobre a recepção cioraniana de Nietzsche

Uma reflexão inédita sobre (contra) a Imagem, de E.M. Cioran

Acabo de escrever, para uma obra coletiva, um breve texto sobre a imagem, ou antes, contra a imagem, e que poderia ter sido assinado pelo crente mais ortodoxo. E, contudo, nunca estive tão distante de qualquer conversão que seja. É um “impulso” místico proveniente de certos estados febris que experimento de vez em quando.E.M. Cioran… Continue lendo Uma reflexão inédita sobre (contra) a Imagem, de E.M. Cioran

“Reprezentare canonică şi reprezentare excentrică a timpului. Emil Cioran” – Ştefan AFLOROAEI

Hermeneia, nr. 5, 2005, pp. 83-105 Canonical and Eccentric Representations of Time. Emil Cioran (Abstract) The various representations of time, such as the chronological vs. the kairical (from the Greek term kairós), or the historical vs. the eschatological, set up real alternatives – that is, cross-roads, where both paths are present at the same time.… Continue lendo “Reprezentare canonică şi reprezentare excentrică a timpului. Emil Cioran” – Ştefan AFLOROAEI

Divina Impotência e a “Carreira Triunfal do Mal”: Cioran e o Ateísmo Místico como Sabedoria da Insegurança

Cioran concorda com Arthur Schopenhauer em que a filosofia não tem o seu ponto de partida em um eventual maravilhamento, cheio de graça e júbilo, diante do "milagre" do Ser, da evidência de que "algo é", "há seres e ser", sempre em devir, devindo, fluindo, confluindo, em sua ininterrupta duração (la durée, segundo Bergson). O… Continue lendo Divina Impotência e a “Carreira Triunfal do Mal”: Cioran e o Ateísmo Místico como Sabedoria da Insegurança

Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Quando carregamos em nós germes de decepções e como que uma sede de vê-los eclodir, o desejo de que o mundo anule a cada passo nossas esperanças multiplica as confirmações voluptuosas do mal. Os argumentos vêm em seguida; a doutrina se constrói: só permanece ainda o perigo da “sabedoria”. Mas, se não queremos libertar-nos do… Continue lendo Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Cioran e o sonho ridículo de “recomeçar o Conhecimento”: uma questão de vida ou morte (e uma causa perdida de antemão)

Um livro de Cioran muito importante, parte integrante da sua produção francesa intermediária, é La chute dans le temps (1964). À diferença dos demais, talvez a maioria deles, pelos quais Cioran tornar-se-ia conhecido como um mestre do aforismo, do estilo aforismático (conciso, lapidar, epigramático), este é um livro de ensaios (essais), textos dissertativos (ou, melhor… Continue lendo Cioran e o sonho ridículo de “recomeçar o Conhecimento”: uma questão de vida ou morte (e uma causa perdida de antemão)

“Duas diatribes”: mais 2 ensaios inéditos de Cioran traduzidos ao português

O TEXTO: Dois ensaios complementares de Cioran, “Portrait du civilisé”, extraído de La chute dans le temps (1964), e “Les nouveaux dieux”, de Le mauvais démiurge (1969), em que o pensador demonstra sua veia ensaística e vigorosa prosa literário-filosófica. Trata-se de duas diatribes, dois ensaios tenazes a meio caminho entre as filosofias helenísticas e a… Continue lendo “Duas diatribes”: mais 2 ensaios inéditos de Cioran traduzidos ao português

“A árvore da vida” (E.M. Cioran)

NÃO É BOM que o homem se lembre a cada instante de que é homem. Debruçar-se sobre si já é um mal; debruçar-se sobre a espécie, com o zelo de um obsesso, é ainda pior: é dar às misérias arbitrárias da introspecção um fundamento objetivo e uma justificação filosófica. Enquanto se tritura seu eu, tem-se… Continue lendo “A árvore da vida” (E.M. Cioran)