“Cioran – a philosopher of redemption. Procession and conversion in La Chute Dans Le Temps” – Horia Vicenţiu PĂTRAŞCU

Revue Roumaine de Philosophie, 65, 1, p. 125–143, Bucureşti, 2021 Abstract: The question we want to answer in this paper is the following: is there soteriology, i.e. doctrine of redemption, in Cioran’s work from his French period? If – as we had the opportunity to show elsewhere – his writings in Romanian indicate a kind… Continue lendo “Cioran – a philosopher of redemption. Procession and conversion in La Chute Dans Le Temps” – Horia Vicenţiu PĂTRAŞCU

“Cioran: ilusões, essências, desilusões” – Rodrigo MENEZES

Enquanto permanece enfeitiçado e apaixonado pelas Ilusões em sua juventude, Cioran evoca, em oposição àquelas, as Essências, dando indícios de querer pensar metafisicamente uma Alma imortal (substancial, essencial, “divina”), assim como "Deus", "eternidade", "absoluto". A oposição platônica entre Ilusões e Essências, no Livro das Ilusões, revela um Cioran ainda incapaz de tirar as últimas consequências… Continue lendo “Cioran: ilusões, essências, desilusões” – Rodrigo MENEZES

“Recommencer la Connaissance” – CIORAN

Croire à l’histoire, c’est convoiter le possible, c’est postuler la supériorité qualitative de l’imminent sur l’immédiat, c’est se figurer que le devenir est assez riche par lui-même pour rendre l’éternité superflue. Que l’on cesse d’y croire, aucun événement ne conserve la moindre portée. On ne s’intéresse plus alors qu’aux extrémités du Temps, moins à ses… Continue lendo “Recommencer la Connaissance” – CIORAN

“O voluptuoso, o insolúvel: Liliana Herrera e a paixão-Cioran” – Rodrigo Menezes

Hegel é meu exato oposto. Hegel é impensável para mim, por mais que eu reconheça sua importância. Mas isso é outra estória. Tenho um amigo na Romênia, um especialista no pensamento de Hegel [Constantin Noica], que não consegue ler minhas coisas, que não me leva a sério. Não obstante, muito embora tivesse uma mentalidade totalmente… Continue lendo “O voluptuoso, o insolúvel: Liliana Herrera e a paixão-Cioran” – Rodrigo Menezes

Pós-Metafísica, Pós-Modernidade, Pós-História, Pós-Humanismo: em diálogo com Kerstin Borchhardt sobre a recepção cioraniana de Nietzsche

Portal E.M. Cioran Brasil, 7 de junho de 2021[1] Kerstin BORCHHARDT é filósofa e historiadora da arte, doutora em História da Arte pela Universidade Friedrich-Schiller, em Iena, onde obteve bolsas de estudo de importantes instituições como Studienstiftung des deutschen Volkes, Gerda Henkel Stiftung e Fritz Thyssen Stiftung. Lecionou na Universidade de Erfurt de 2013 a… Continue lendo Pós-Metafísica, Pós-Modernidade, Pós-História, Pós-Humanismo: em diálogo com Kerstin Borchhardt sobre a recepção cioraniana de Nietzsche

“Uma reflexão inédita sobre (contra) a Imagem, de E.M. Cioran” – Rodrigo Menezes

Acabo de escrever, para uma obra coletiva, um breve texto sobre a imagem, ou antes, contra a imagem, e que poderia ter sido assinado pelo crente mais ortodoxo. E, contudo, nunca estive tão distante de qualquer conversão que seja. É um “impulso” místico proveniente de certos estados febris que experimento de vez em quando.E.M. Cioran… Continue lendo “Uma reflexão inédita sobre (contra) a Imagem, de E.M. Cioran” – Rodrigo Menezes

“Reprezentare canonică şi reprezentare excentrică a timpului. Emil Cioran” – Ştefan AFLOROAEI

Hermeneia, nr. 5, 2005, pp. 83-105 Canonical and Eccentric Representations of Time. Emil Cioran (Abstract) The various representations of time, such as the chronological vs. the kairical (from the Greek term kairós), or the historical vs. the eschatological, set up real alternatives – that is, cross-roads, where both paths are present at the same time.… Continue lendo “Reprezentare canonică şi reprezentare excentrică a timpului. Emil Cioran” – Ştefan AFLOROAEI

Divina Impotência e a “Carreira Triunfal do Mal”: Cioran e o Ateísmo Místico como Sabedoria da Insegurança

Cioran concorda com Arthur Schopenhauer em que a filosofia não tem o seu ponto de partida em um eventual maravilhamento, cheio de graça e júbilo, diante do "milagre" do Ser, da evidência de que "algo é", "há seres e ser", sempre em devir, devindo, fluindo, confluindo, em sua ininterrupta duração (la durée, segundo Bergson). O… Continue lendo Divina Impotência e a “Carreira Triunfal do Mal”: Cioran e o Ateísmo Místico como Sabedoria da Insegurança

Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Ser mais inutilizável que um santo…Silogismos da amargura O cético, para o grande desespero do demônio, é o homem inutilizável por excelência.La Chute dans le temps Uma boa maneira de entender o que muda no modo de pensar de Cioran, na transição entre a juventude nacionalista e a maturidade exilada, entre seus livros romenos e… Continue lendo Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Cioran e o sonho ridículo de “recomeçar o Conhecimento”: uma questão de vida ou morte (e uma causa perdida de antemão)

Um livro de Cioran muito importante, parte integrante da sua produção francesa intermediária, é La chute dans le temps (1964). À diferença dos demais, talvez a maioria deles, pelos quais Cioran tornar-se-ia conhecido como um mestre do aforismo, do estilo aforismático (conciso, lapidar, epigramático), este é um livro de ensaios (essais), textos dissertativos (ou, melhor… Continue lendo Cioran e o sonho ridículo de “recomeçar o Conhecimento”: uma questão de vida ou morte (e uma causa perdida de antemão)