“Algumas observações sobre a gnose camusiana” (Monalisa Carrilho)

Dia primeiro de maio de 1954. Camus está na Grécia e escreve em seu caderno: “Bem cedo pela manhã, saída para a Argólida. Costa do golfo coríntio.Um a luz dançante, aérea, contente, inunda o golfo e as ilhas ao largo. Paramos ummomento na borda da falésia, e toda a imensidão do mar diante de nós, presenteadanuma… Continue lendo “Algumas observações sobre a gnose camusiana” (Monalisa Carrilho)