« Paléontologie », de Le Mauvais Démiurge (1969): leitura comentada – Rodrigo Menezes

Live tertúlia no YouTube sobre um importantíssimo ensaio deste livro ainda inédito em língua portuguesa, Le mauvais démiurge (1969). Data: 27/11/2021Horário: 19h00 (BRA) O Caderno de Talamanca, escrito em 1966 durante uma temporada de férias na Espanha, antecipa algumas das ideias de Le mauvais démiurge e, particularmente, de "Paleontologia": "Redenção: pelo conhecimento, pela ultrapassagem do… Continue lendo « Paléontologie », de Le Mauvais Démiurge (1969): leitura comentada – Rodrigo Menezes

“Cioran no desastre” – Efrén Sánchez Ranulfo

Resumo: Trata-se de uma leitura de Cioran em torno do confinamento provocado pela atual pandemia. Refletirei sobre a pergunta: por que é reconfortante ler Cioran em meio ao desastre?Palavras-chave: Confinamento, lucidez, homem, natureza, pandemia. Abstract: In this meeting I will make a reading of Cioran about the confinement that has caused the current pandemic. I… Continue lendo “Cioran no desastre” – Efrén Sánchez Ranulfo

“Dos males, qual o pior? Acaso trágico e fatalismo gnóstico em Clément Rosset e Emil Cioran” – Rodrigo Inácio R. Sá Menezes

Clément Rosset critica Georges Bataille, em sua Lógica do pior (1971), por supostamente mistificar o saber trágico e a consciência trágica, dando a entender que seriam o apanágio de um seleto grupo de intelectuais iluminados (a começar por Bataille, provoca Rosset), graças a um suposto "despertar" espiritual que nem todos os mortais podem ter. Esta… Continue lendo “Dos males, qual o pior? Acaso trágico e fatalismo gnóstico em Clément Rosset e Emil Cioran” – Rodrigo Inácio R. Sá Menezes

Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Ser mais inutilizável que um santo…Silogismos da amargura O cético, para o grande desespero do demônio, é o homem inutilizável por excelência.La Chute dans le temps Uma boa maneira de entender o que muda no modo de pensar de Cioran, na transição entre a juventude nacionalista e a maturidade exilada, entre seus livros romenos e… Continue lendo Santidade & Ceticismo: Modelos de Antinatureza, Duas Impossibilidades

Guión de temas y tópicos de discusión: Tertúlia con Leobardo Villegas Mariscal – 08/04/2021 | 17h Bra | 15h Mex

La relación lector-autor de una obra fragmentaria y asistemática "- ¿Qué diría usted a quien descubra su obra? ¿Le aconsejaría que comenzara por una obra mejor que por otra?- Puede elegir cualquiera de ellas, ya que no hay progresión en lo que escribo. Mi primer libro contiene ya virtualmente todo lo que he dicho posteriormente.… Continue lendo Guión de temas y tópicos de discusión: Tertúlia con Leobardo Villegas Mariscal – 08/04/2021 | 17h Bra | 15h Mex

Gnosticismo, Ateísmo, Mística y Escepticismo – aporte de citaciones temáticas: Tertulia con Leobardo Villegas

"Mi actitud para con la religión sigue siendo la misma hoy,una mezcla de tentaciones contradictorias." Cioran, Conversaciones Cuestiones y tópicos de discusión La relación lector-autor de una obra fragmentaria y asistemáticaContinuidad y discontinuidad de una obra bilingüeFilosofía, Arte, Religión/Mística: ¿“Bloque indisoluble o trinidad perdida del romanticismo” (Ionesco)?Filosofía del Mal y Meontología (ontologia negativa) en CioranControversia… Continue lendo Gnosticismo, Ateísmo, Mística y Escepticismo – aporte de citaciones temáticas: Tertulia con Leobardo Villegas

“Cioran y el instinto religioso: la no rendición” (M. Liliana Herrera)

In: HERRERA A., M. Liliana; ABAD T., Alfredo A. (orgs). Cioran: ensayos críticos. Pereira: Universidad Tecnológica de Pereira, 2008, p. 208-225. ¡La pasión de lo absoluto en un alma escéptica! Cioran En su artículo Le démon cioranien et dieu, Ariana Bălaşa señala que la confrontación que Cioran sostiene con Dios “ha preocupado a muchos pensadores… Continue lendo “Cioran y el instinto religioso: la no rendición” (M. Liliana Herrera)

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]… Continue lendo Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Do Conhecimento Religioso: sobre um texto de juventude e sua repercussão na obra posterior” – Rodrigo Inácio R. SÁ MENEZES

Além de um sentimento fundamental da existência, a categoria do religioso designa também um tipo especial de conhecimento, aquele que mais importa para Cioran. Num artigo publicado na Revista Teologică (1932), "A estrutura do conhecimento religioso", o jovem estudante de filosofia na Universidade de Bucareste faz a crítica do racionalismo e afirma a “preeminência do… Continue lendo “Do Conhecimento Religioso: sobre um texto de juventude e sua repercussão na obra posterior” – Rodrigo Inácio R. SÁ MENEZES

“Patandjáli e o Yoga” (Mircea Eliade)

Até meados do século passado, o doutor J. M. Honigberger assombrou o mundo científico relatando a história do yogin Hari-dâs. Em Láhaor [Lahore], na presença do marajá Ránjit Sing do Punjab e da sua corte, Hari-dâs se pôe em estado cataléptico e foi enterrado num jardim. Durante quarenta dias, uma guarda rigorosa vigiou a sua… Continue lendo “Patandjáli e o Yoga” (Mircea Eliade)