“Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” – Rodrigo MENEZES

Trata-se de contrapor e fazer dialogar duas filosofias, dois modo de pensar (o homem, a existência, a vida e a morte, o tempo) que têm muito em comum, mas cujas conclusões podem ser radicalmente divergentes: a filosofia trágica, afirmativa e aprobatória de Clément Rosset (tendo como corolário a alegria como "force majeure"), na linha de… Continue lendo “Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” – Rodrigo MENEZES

“Crítica de um certo uso das filosofias de Nietzsche, Marx e Freud” (Clément Rosset)

Numa obra que, de certo modo, anunciava na França o verdadeiro início dos estudos nietzscheanos, Georges Bataille desenvolve o tema seguinte: Nietzsche teria sido o primeiro filósofo a fundar uma filosofia sobre o "não-sentido", ou o acaso, libertando sua representação do mundo de todo pensamento racionalizante, finalista ou teológico. A este primeiro erro histórico (tais… Continue lendo “Crítica de um certo uso das filosofias de Nietzsche, Marx e Freud” (Clément Rosset)

Dos males, o pior: a filosofia trágica de Clément Rosset

Nonfilozofie: ideile se sufocă de sentiment. [Não-filosofia: as ideias sufocam de sentimento.] (CIORAN, Amurgul gândurilor) Conseguir pensar o pior - tal é pois o alvo mais geral da filosofia terrorista, o cuidado comum a pensadores tão diferentes quanto os filósofos citados mais acima. A tais pensadores, esta infecta tarefa apareceu não somente como tarefa única,… Continue lendo Dos males, o pior: a filosofia trágica de Clément Rosset

“O castelo de Acaso” (Clément Rosset)

É sempre comprometedor recomendar seu pensamento a uma palavra; mais particularmente, quando essa palavra já recobre um certo número de acepções entre as quais nenhuma designa o que se tem propriamente em vista. Pode-se preferir calar; ou ainda, preferir criar uma palavra nova, que nada evocará no espírito do leitor e por isso correrá o… Continue lendo “O castelo de Acaso” (Clément Rosset)

“As revelações da insônia: escritura e autobiografia em Cioran” – Rodrigo Menezes

Versão revisada e ampliada a partir do original "Les révélations de l'insomnie : écriture et autobiographie chez Cioran", in Anale. Seria Drept, volumul XXVII (2018), la editura Mirton Timisoara, ISSN 1582-9359. Facultatea de Drept şi Administraţie Publică, Universitatea Tibiscus din Timişoara. [PDF] Resumo: Toda autobiografia espiritual é uma canção do eu, escreveu Harold Bloom. Esta observação… Continue lendo “As revelações da insônia: escritura e autobiografia em Cioran” – Rodrigo Menezes

“Trágico e silêncio” (Clément Rosset)

UM FILÓSOFO POUCO SUSPEITO de complacência para com o pensamento trágico, Jules Monnerot, reconhecia recentemente no fantasma do ''alhures" uma negação fundamental da tragédia: "Não há de uma parte o homem, e de outra parte forças exteriores ao homem, às quais ele também seria exterior. As forças 'exteriores', 'cósmicas', 'naturais' estão também em nós, (… Continue lendo “Trágico e silêncio” (Clément Rosset)

“Trágico e silêncio” (Clément Rosset)

Das três maneiras de filosofar Quando prepara um molho, o cozinheiro dispõe de elementos esparsos, descontínuos, que deve juntar numa substância nova. Dois estados: um inicial, onde os elementos coexistem, sem relação entre si, exceto o acaso (no caso, os cuidados do cozinheiro) que os reuniu em lugares contíguos um ao outro, no interior de… Continue lendo “Trágico e silêncio” (Clément Rosset)

“Filosofia trágica como crítica das ideologias” – Clément ROSSET

Que se entende, realmente, por pensar? Que é passar do "impensado" ao pensamento? A essa questão uma única resposta: passar ao pensamento é falar, escrever, formular. Um exemplo característico dessa passagem é a redação de uma obra filosófica. Dir-se-á que antes de ser formulada a obra filosófica -- a Ética de Spinoza -- era "impensada"?… Continue lendo “Filosofia trágica como crítica das ideologias” – Clément ROSSET

Morre Clément Rosset, filósofo da Alegria Trágica, amigo de Cioran -Nicolas TRUONG

LE MONDE, 29 de março de 2018 Rosset articulava sua filosofia em torno de duas ideias: a do trágico e a do duplo. Ele morreu em 28 de março, aos 78 anos. O filósofo Clément Rosset faleceu em Paris, em 28 de março. Nascido em 12 de outubro de 1939, em Carteret (Manche), autor de… Continue lendo Morre Clément Rosset, filósofo da Alegria Trágica, amigo de Cioran -Nicolas TRUONG