“Traços gnósticos na Modernidade filosófica e literária: Cioran, Camus, Bloom” – Rodrigo MENEZES

Dossiê temático do minicurso on-line Filosofia, Literatura e Gnose, ministrado por Juliano Garcia Pessanha e Rodrigo Inácio R. Sá Menezes. São Paulo, Brasil, novembro/dezembro de 2022. “I think there may be something wrong with this world.Either that or there’s something wrong with me”.[1] DOLORES (personagem androide da série Westworld) “Life’s but a walking shadow, a… Continue lendo “Traços gnósticos na Modernidade filosófica e literária: Cioran, Camus, Bloom” – Rodrigo MENEZES

Publicidade

“Teodiceia e Antropodiceia: o mal na teologia depois de Auschwitz” – Karl-Josef KUSCHEL

Márcia Junges e Andriolli Costa - IHU On-line, 438, 24 de março de 2014 Para o teólogo Karl-Josef Kuschel, após o holocausto a crença na “boa criação” e no “bom criador” está falida de uma vez por todas A teologia clássica sempre relativizou o conceito de "Mal", de forma que ele não fosse encarado como… Continue lendo “Teodiceia e Antropodiceia: o mal na teologia depois de Auschwitz” – Karl-Josef KUSCHEL

“A gnose como psicologia negativa” – Peter SLOTERDIJK

Os sábios idealistas do mundo não suportam a palavra nascimento. Oettinger apud Koslowski Na gnose, a metafísica se transforma em psicopatologia e pneumatologia. Ela reverencia a chegada do pneuma no mundo como uma catástrofe de alienação; toda vida na direção cegueira da ida é, num sentido fundamental, "ofensivo" – ou seja, seu efeito separa do… Continue lendo “A gnose como psicologia negativa” – Peter SLOTERDIJK

“Hannah Arendt: significado e experiência viva” – Adriana NOVAES

Hannah Arendt foi uma das mais importantes pensadoras do século XX, e seu legado chega até nós com uma viva importância. Tendo se dedicado ao estudo do fenômeno do totalitarismo como ápice de um processo de crise da tradição e de suas consequências para a vida política e moral, célebre por sua análise da "banalidade… Continue lendo “Hannah Arendt: significado e experiência viva” – Adriana NOVAES

“Hannah Arendt: a capacidade de julgar” – José Alves de Freitas Neto

A banalidade do mal é chave fundamental no pensamento de Hannah Arendt e se desdobra nas questões que enfrentamos no século XXI. A partir do célebre julgamento de um burocrata nazista, Arendt sugeriu formulações incômodas sobre a capacidade de julgar, de discernir, de pensar. A banalidade do mal é, de certa forma, uma advertência aos… Continue lendo “Hannah Arendt: a capacidade de julgar” – José Alves de Freitas Neto

“Contra a História: a Odisseia gnóstica de Cioran” – Rodrigo MENEZES

Se tudo o que se concebeu e empreendeu desde Adão é ou suspeito ou perigoso ou inútil, que fazer? Dessolidarizar-se da espécie? Seria esquecer que nunca se é tão humano como quando se lamenta sê-lo. CIORAN, La Chute dans le temps (1964) Seriez-vous réac ? — Si vous voulez, mais dans le sens où Dieu… Continue lendo “Contra a História: a Odisseia gnóstica de Cioran” – Rodrigo MENEZES

“Em nome do medo” – MOONSPELL 🎶

"Em nome do medo" é uma canção da banda portuguesa de heavy metal Moonspell que tem como tema o notório terremoto de Lisboa. Apesar de Moonspell ter um álbum intitulado 1755 (ano do fatídico terremoto), esta faixa pertence a outro álbum da banda: Alpha Noir (2012). O terremoto provocou dois tipos de reação opostas na sociedade… Continue lendo “Em nome do medo” – MOONSPELL ðŸŽ¶

“Miséria eterna da humanidade, eterna revolta metafísica” – CIORAN

Frente à miséria, tenho vergonha até da existência da música. A injustiça constitui a essência da vida social. Como aderir, sabendo disso, a qualquer doutrina?CIORAN, Nos Cumes do Desespero (1934) Convencido de que a miséria está intimamente ligada à existência, não posso aderir a nenhuma doutrina humanitária. Elas me parecem, em sua totalidade, igualmente ilusórias… Continue lendo “Miséria eterna da humanidade, eterna revolta metafísica” – CIORAN

“Camus e o único problema filosófico realmente sério” – Ariano SUASSUNA

Só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena ser vivida é responder à pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois. Trata-se de jogos; é preciso primeiro responder. E se… Continue lendo “Camus e o único problema filosófico realmente sério” – Ariano SUASSUNA

“Niilismo e história” – Albert CAMUS

Cento e cinquenta anos de revolta metafísica e de niilismo viram retornar com obstinação, sob diferentes disfarces, o mesmo rosto devastado, o do protesto humano. Todos, erguidos contra a condição humana e seu criador, afirmaram a solidão da criatura, o nada de qualquer moral. Mas, ao mesmo tempo, todos procuraram construir um reino puramente terrestre… Continue lendo “Niilismo e história” – Albert CAMUS