Um místico sem absoluto: “Cioran, l’hérétique”, de Patrice Bollon – Rodrigo Menezes

A biografia crítica de Patrice Bollon, Cioran, l’hérétique (1997) não acrescenta muita coisa, no que concerne ao tema da religião e da mística, em relação ao ensaio de Jaudeau (1990) – antes reitera o que já havia sido intuído e apontado pela antecessora (por exemplo, que se trata de um gnóstico sem deus e sem… Continue lendo Um místico sem absoluto: “Cioran, l’hérétique”, de Patrice Bollon – Rodrigo Menezes

“A experiência do espírito vai muito além das distinções espaço-temporais e de gênero”. Entrevista especial com Marco Vannini

INSTITUTO HUMANITAS-UNISINOS, 17 de dezembro de 2011 Para se entender a mística, é preciso partir da antropologia clássica e cristã: “Não bipartida em corpo e alma, mas tripartida: corpo, alma, espírito”. Só assim podemos entendê-la como “experiência, experiência do espírito”, como “uma contínua e constante realidade de vida espiritual, que não consiste em ‘eventos’ particulares”.… Continue lendo “A experiência do espírito vai muito além das distinções espaço-temporais e de gênero”. Entrevista especial com Marco Vannini

“O feminino e o mistério: a contribuição das mulheres para a mística” (Revista IHU On-line 385)

Revista do Instituto Humanitas Unisinos, no. 385, ano XI, 19.12.2011 Mística, segundo o professor do programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião, da Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, Faustino Teixeira, “é uma experiência que integra, em reciprocidade fundamental, as dimensões de anima (feminilidade) e animus (masculinidade) que habitam cada pessoa humana”. “Há… Continue lendo “O feminino e o mistério: a contribuição das mulheres para a mística” (Revista IHU On-line 385)