Em busca de um “não-homem”: niilismo, anti-humanismo e mística negativa – Entrevista com Ştefan Bolea (Romênia)

Ştefan Bolea é pesquisador na Faculdade de Letras da Universidade Babeș-Bolyai de Cluj-Napoca, Romênia. Além disso, é editor da conceituada revista literária Apostrof, co-fundador e editor-chefe do e-zine cultural EgoPHobia (www.egophobia.ro). Ştefan Bolea obteve seu segundo doutorado summa cum laude em Literatura Comparada, em 2017 (após um primeiro em Filosofia, em 2012), com uma investigação… Continue lendo Em busca de um “não-homem”: niilismo, anti-humanismo e mística negativa – Entrevista com Ştefan Bolea (Romênia)

“In Search of a Not-Man”: Nihilism, Antihumanism, and Dark Mysticism. An insightful approach to Cioran – Interview with Ştefan BOLEA

Ştefan Bolea is the author of Internal Conflict in Nineteenth-Century Literature. Reading the Jungian Shadow (Rowman & Littlefield, 2020). He is currently working as a researcher within the Faculty of Letters of the Babeș-Bolyai University of Cluj-Napoca, Romania, and as an editor of the literary magazine Apostrof. He is also the co-founder and editor-in-chief of the cultural e-zine EgoPHobia… Continue lendo “In Search of a Not-Man”: Nihilism, Antihumanism, and Dark Mysticism. An insightful approach to Cioran – Interview with Ştefan BOLEA

“Breviário de Decomposição (1949): livro perigoso e essencial” – Rodrigo MENEZES

Ter um Cioran em casa é a antítese de ter uma arma de fogo. No caso de possuir as duas coisas juntas, se o leitor pegasse o livro em vez do revólver, perderia toda motivação de usar o revólver, contra si mesmo ou contra outrem: é um dispositivo de segurança contra tragédias (que se aproveitam… Continue lendo “Breviário de Decomposição (1949): livro perigoso e essencial” – Rodrigo MENEZES

“Mihail Sebastian’s Journal: The Fascist Years (1935-1944)” – Radu IOANID

On 29 May 1945, as he rushed to cross a street in downtown Bucharest, thirty-eight-year-old Mihail Sebastian, a press officer at the Romanian Ministry of Foreign Affairs, was hit and killed by a truck. As it happened, Sebastian was late to an appointment at Dalles Hall where he was to teach a class about Honoré… Continue lendo “Mihail Sebastian’s Journal: The Fascist Years (1935-1944)” – Radu IOANID

“Between Evola and Dugin: Traditionalism in a Romanian Iron Guard Manifesto” – Jason ROBERTS

Nae Ionescu (1890-1940), a Philosophy professor at the University of Bucharest in the inter-war period, and the mastermind of the Iron Guard who co-opted Cioran's young generation of intellectuals (tânăra generaţie of 1927) into the Legionary movement (Ionescu only adhered to the Iron Guard due to a grudge with the king); Julius Evola (1898-1974), an… Continue lendo “Between Evola and Dugin: Traditionalism in a Romanian Iron Guard Manifesto” – Jason ROBERTS

O gosto das Ilusões e o gosto da Décadence: Cioran e a lucidez da decepção – Rodrigo MENEZES

Segundo Giovanni Rotiroti, a desilusão de Cioran em relação às suas crenças e esperanças utópicas de outrora começam a despontar antes mesmo do Breviário, em De la France, escrito ainda em romeno (Despre Franţa), na Paris de início da década de 1940, ocupada pelas forças alemãs. Muitas ideias do Précis de décomposition encontram-se enunciadas em… Continue lendo O gosto das Ilusões e o gosto da Décadence: Cioran e a lucidez da decepção – Rodrigo MENEZES

E.M. Cioran, Jonathan Swift e o “grotesco cor-de-rosa”: entrevista com Paolo Vanini 🇮🇹

Paolo Vanini é professor adjunto de história da filosofia na Universidade de Trento, onde também integra um projeto de pesquisa dedicado a Cioran. Atualmente se ocupa da relação entre utopia, ceticismo e humorismo entre o Renascimento e o século XX. Tem publicado artigos sobre autores como Thomas Morus, Erasmo de Rotterdam, Jonathan Swift, Pirandello e… Continue lendo E.M. Cioran, Jonathan Swift e o “grotesco cor-de-rosa”: entrevista com Paolo Vanini 🇮🇹

Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

Começa-se normalmente pelo "segundo nascimento de Cioran", conforme se refere Patrice Bollon ao marco divisor da obra, o Breviário de decomposição, o premiado livro de estreia do autor romeno em língua francesa, desconhecendo em maior ou menor medida a biografia pregressa do pensador transilvano, muitas vezes ignorando que, antes de adotar o francês como língua… Continue lendo Biografia de Cioran comentada e ilustrada: os anos romenos (1911-1937) | Live temática no YT

“Cioran golpea al lector en la cabeza, igual que lo hace un poeta grande”: Ciprian Vălcan entrevista a Marta Petreu

Reflexiones Marginales, México, nr. 60 (dossier Cioran), 27 noviembre 2020 Resumen: En una primera lectura, Cioran me pareció histérico e inauténtico. La primera impresión fue poderosa y pésima, me impresionó por su pésimo gusto que se abría paso en las páginas, a veces de manera más intensa que su amado, y el mío también, Dostoievski.… Continue lendo “Cioran golpea al lector en la cabeza, igual que lo hace un poeta grande”: Ciprian Vălcan entrevista a Marta Petreu

“Breviário de Decomposição: livro perigoso e essencial” – Rodrigo MENEZES

Por que reunir-se em torno do Précis de décomposition – e celebrá-lo? Alguns diriam que não há nada aí a ser celebrado, muito pelo contrário. Cioran: pró e contra… Qual a importância do Breviário de decomposição, conforme o temos, desde 1989, primorosamente traduzido ao português pelo professor José Thomaz Brum? Qual sua importância hoje, para […]… Continue lendo “Breviário de Decomposição: livro perigoso e essencial” – Rodrigo MENEZES